Opiniao

Figura da semana. Canelas 2010: Vale tudo menos tirar olhos

Ganham jogos por falta de comparência dos adversários e aqueles que os enfrentam sujeitam-se às regras de outro desporto que não o futebol: a luta livre sem regras. No último fim de semana, a cara de um árbitro serviu de bola...

 

A história estava anunciada desde que começou a época futebolística, mas praticamente ninguém quis ver o óbvio: não ia acabar bem. Com traços medievais, descobrimos que em Portugal um clube de futebol poderia subir de divisão por desistência das outras equipas, alegadamente por não se sentirem seguras. Sabiam, e bem, que a sua integridade física ficava em causa sempre que entrassem em campo para jogar com o Canelas 2010, formada por vários dos homens que lideram a claque dos Super Dragões. A história é tão surreal, que só a publicação de um vídeo há uns largos meses deu a conhecer a especialidade dos craques do Canelas: artes marciais. Os árbitros, temendo pela sua vida, iam fechando os olhos às agressões dos craques da equipa liderada por Fernando Madureira, o rosto dos Super Dragões.

Com a recusa das outras equipas em entrar em campo estranhou-se a apatia da Federação Portuguesa de Futebol, bem como do ministério que tem a tutela do Desporto. Foi preciso um árbitro ser selvaticamente agredido no passado fim de semana para, finalmente, as sirenes serem ligadas. As imagens difundidas pelo canal Minuto 90 TV passaram a fronteira e o Canelas passou a ser apelidado de o clube mais perigoso do mundo. Além da agressão ao árbitro, depois de este ter expulsado um jogador que agredira um do Rio Tinto, alguns colegas ‘cresceram’ para os polícias e estes quase correram à frente dos craques que se enganaram no desporto. Um espetáculo decadente para um país dito civilizado. Os jogadores do Canelas podiam ter ido para lutas marciais e aí não haveria nada a dizer, mas o futebol é uma atividade cujo objetivo é marcar golos na baliza adversária e não um ringue de boxe ou de luta ‘Vale Tudo’.

Passada uma semana, sabe-se que o jogador agressor foi expulso do clube, mas o emblema em questão continuará a disputar o campeonato da Divisão D’Elite, tendo ou não adversários. Curiosamente, na mesma semana que a equipa de Vila Nova de Gaia se tornou famosa um pouco por toda a Europa, um agente da PSP agrediu um adepto do Benfica de uma forma selvática, mas não provocando metade dos danos que o jogador do Canelas infligiu ao árbitro. Alguns deputados exigiram explicações à ministra da tutela - o polícia em causa já tem um processo disciplinar - mas ainda ninguém exigiu a presença do ministro que tem a pasta do Desporto para explicar esse fenómeno chamado Canelas. Estranho país este...