Desporto

Estoril Open. Melhor qualifying de sempre com cinco jogadores do top 100 mundial

A fase de qualificação decorre entre sábado e domingo (29 e 30 de Abril) 

A 3LOVE anunciou nesta terça-feira a lista oficial de participantes no qualifying do Millennium Estoril Open – cuja terceira edição se realiza entre 29 de Abril e 7 de Maio, novamente no Clube de Ténis do Estoril. E o elenco afigura-se fortíssimo.

A fase de qualificação decorre entre sábado e domingo (29 e 30 de Abril) e, segundo os novos regulamentos que entraram em vigor no início da época transacta, o quadro do qualifying comporta somente 16 elementos – sendo que, três semanas antes, é divulgada a lista de 14 entradas directas (às quais se juntam dois wild cards que constituem prerrogativa da organização).

O elenco de 14 jogadores hoje revelado inclui cinco elementos do top 100 mundial e fecha no posto 175; a título de comparação, a fase de qualificação da edição de 2016, que já de si se apresentava forte, contemplou dois tenistas do top 100 e encerrou no posto 203 aquando do fecho das inscrições.

“Se no ano passado já referi ser o qualifying de um torneio do ATP World Tour em Portugal mais forte de sempre, o que dizer este ano? A fasquia está ainda mais elevada, pelo que vale mesmo a pena ir até ao Clube de Ténis do Estoril no primeiro fim-de-semana para ver ténis de alto nível como aperitivo ideal para o quadro principal”, sublinha João Zilhão, director do torneio. “Tal como no quadro principal, em que apresentamos o elenco mais forte das três edições do Millennium Estoril Open, também no qualifying vamos ter o melhor quadro de sempre com cinco elementos do top 100 e um ex-top 10. Infelizmente, uma fase de qualificação com o elevado cut-off de 175 significa que nenhum português teve entrada, estando o Pedro Sousa fora por quatro lugares. Mas estão garantidos dois wild cards para tenistas nacionais: um para o melhor representante luso no Cascais NextGen Tour que está a decorrer e um segundo convite para outro português que iremos definir na devida altura”.

Curiosamente, o último da lista é aquele que melhores credenciais apresenta – para além de todo o inerente carisma: o letão Ernests Gulbis foi semifinalista em Roland Garros há três anos (após derrotar Roger Federer) e já passou pelo 10º posto do ranking mundial, somando seis títulos (nunca perdeu uma final!) no ATP World Tour. No ano passado, atingiu os oitavos-de-final no Grand Slam parisiense e está em processo de reconstrução da sua famosa pancada de direita (apelidada ‘Seagulbis’ por se assemelhar ao voo de uma gaivota!), adoptando uma técnica mais convencional.

Entre os veteranos, sobressai o dominicano Victor Estrella-Burgos, que aos 36 anos apresenta um currículo com três títulos do ATP World Tour alcançados em cada uma destas últimas épocas (2015, 2016 e 2017). O colombiano Santiago Giraldo é outro nome bem conhecido do circuito profissional.

Entre os jovens, o grande destaque vai para o fogoso teenager moscovita Andrey Rublev, apontado como sucessor de Marat Safin pelo seu caráter temperamental e o seu ténis ofensivo. Os norte-americanos Bjorn Fratangelo (cujo primeiro nome foi inspirado pelo lendário campeão sueco Bjorn Borg) e sobretudo Ernesto Escobedo também fazem parte de uma interessante vaga de promessas que inclui igualmente Elias Ymer, o sueco que integra a chamada NextGen com as restantes vedetas sub-21 do ATP World Tour.

Elias Ymer logrou passar do qualifying para o quadro principal em 2016; da lista de inscritos, também o espanhol Iñigo Cervantes, o japonês Taro Daniel e o francês Stéphane Robert jogaram a melhor grelha do Millennium Estoril Open no ano passado.

Nomes e classificação

1.    Victor Estrella-Burgos (Rep. Dominicana), 84º
2.    Stéphane Robert (França), 86º
3.    Ernesto Escobedo (EUA), 91º
4.    Renzo Olivo (Argentina), 92º
5.    Taro Daniel (Japão), 96º
6.    Santiago Giraldo (Colômbia), 103º
7.    Bjorn Fratangelo (EUA), 116º
8.    Andrey Rublev (Rússia), 118º
9.    Iñigo Cervantes (Espanha), 132º
10.    Kenny de Schepper (França), 145º
11.    Elias Ymer (Suécia), 155º
12.    Federico Gaio (Itália), 164º
13.    Enrique Lopez-Perez (Espanha), 174º
14.    Ernests Gulbis (Letónia), 175º