Desporto

Líder da Premier vai ser posto à prova num covil especial

Fim de semana grande em Inglaterra. Não por ter vários jogos grandes, mas um único que vale por todos os outros: Manchester United-Chelsea, com tudo o que acarreta. De um lado, os Red Devils, ávidos por chegar a um dos quatro primeiros lugares que lhe permitam voltar à Liga dos Campeões. E com um Mourinho que ainda não terá digerido bem o despedimento na época passada, meses depois de ter sido novamente campeão... pelo Chelsea.

Do outro lado, os Blues, líderes e cheios de confiança. Esta época, os homens de Antonio Conte já bateram o United em duas ocasiões: na primeira volta, na Premier, um humilhante 4-0; e há precisamente um mês, novamente em Stamford Bridge, agora para a Taça e por 1-0. A julgar pelo histórico recente, porém, os londrinos não terão tarefa fácil: nos últimos dez anos, só por duas vezes saíram de Old_Trafford com os três pontos – curiosamente, nenhuma delas com Mourinho no banco. E o Tottenham, que recebe o tranquilo Bournemouth neste sábado, está à espreita: é que uma desvantagem de quatro (ou cinco) pontos na Premier League não é nada que não se consiga superar.

 

Ressaca blaugrana

Dias difíceis vive o Barcelona. Com a derrota do passado fim de semana ainda bem presente (2-0 em Málaga, depois de saber que podia passar para o primeiro lugar, pois o Real Madrid havia empatado em casa no dérbi com o Atlético), os blaugrana apostavam na Champions para voltar aos trilhos. Nada mais errado: a Juventus foi um autêntico bicho-papão e quase imitou o feito do PSG na ronda anterior – desta feita, foram “só” 3-0.

Semana horrível para os comandados do “demissionário” Luis_Enrique. Que, todavia, têm ainda assim bastantes razões para não baixar os braços. Basta-lhes recuar precisamente um ano: de 2 a 17 de abril de 2016, o Barcelona perdeu quatro dos cinco jogos que realizou – três deles de forma consecutiva. Derrotas que o atiraram para fora da Champions e que reduziram a pó uma vantagem de nove pontos para o Atlético de Madrid. O jogo que se seguiu, porém, foi quase um atentado: 8-0 fora, na Corunha, numa imensa demonstração de força. E a época viria a terminar como se sabe: o Barça foi campeão, um ponto à frente do_Real Madrid e três do Atlético, e ainda conquistou depois a Taça do Rei, batendo o Sevilha na final.

Recuando mais uma temporada, à primeira de Luis_Enrique no comando técnico dos blaugrana, encontra-se outra série de dois desaires consecutivos, esta numa fase mais madrugadora: à nona e décima jornadas. No fim – adivinhou, caro leitor: Barcelona campeão. Por tudo isto, será prematuro para o Real Madrid começar já a pensar em festejar.