Politica

Rui Moreira diz não a coligação informal com o PS, mas vai convidar dirigente socialista Manuel Pizarro

O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, reafirmou em declarações à SIC que o movimento independente que lidera rejeita a ideia de uma qualquer coligação informal com o PS, mas continua a querer que o presidente da federação socialista do Porto, Manuel Pizarro, integre a lista candidata a novo mandato nas autárquicas de 1 de outubro.

Para Rui Moreira, ”um apoio de um partido não pode ser declarado como uma coligação” e o movimento “Porto o nosso partido” não “aceita fazer qualquer coligação formal” com os socialistas. “Não era essa a lógica”. Indicou que o movimento aceita o apoio de quem se quiser juntar, mas não pode ser na base de condicionar ou receber algo em troca.

“Contava e conto com Manuel Pizarro” para integrar a lista. “Vou convidá-lo porque o movimento quer escolher e contar com os melhores”, disse, salientando a “lealdade sempre manifestada” pelo dirigente socialista enquanto vereador do município.

Rejeitou a possibilidade de o movimento aceitar discutir lugares na lista. “Essa é a  liberdade que o movimento independente deve ter. Não pode haver contabilidade”. Lembrou ainda que o número dois da lista será “sempre um candidato independente”.

Revelou ainda, sem avançar pormenores, que manteve esta quinta-feira de manhã uma conversa com o líder do PS e primeiro-ministro, António Costa,  sobre a questão do apoio socialista ao movimento que lidera.

A reunião daquilo a que Rui Moreira se refere como a sua “comissão política” foi unânime na avaliação de que o único caminho para assegurar a independência da candidatura é descartar o apoio do PS. O núcleo duro do independente reuniu-se ontem à noite para avaliar as declarações de Ana Catarina Mendes ao Observador e concluiu que os sinais que estavam a vir da direção nacional socialista iam no sentido uma “apropriação inaceitável”.

“Estavam a ser postas em causa as próprias bases do movimento de independentes de apoio a Rui Moreira”, afirma ao i fonte próxima do candidato, que assegura que a decisão está tomada e não há volta atrás. Moreira vai mesmo dispensar o apoio do PS nas autárquicas.

O candidato tomou a decisão depoisd de uma reunião realizada ontem à noite com seus conselheiros mais próximos para avaliar o impacto das declarações da secretária-geral adjunta do PS, Ana Catarina Mendes, que, em entrevista ao Observador, assumiu que conquistar a Câmara do Porto seria “uma vitória do PS”.

A frase foi vista pelos próximos de Rui Moreira como uma tentativa de apropriação do partido daquilo que é uma candidatura independente. “E isso é inaceitável”, frisa ao i um próximo de Moreira, que recorda que esta não foi a primeira vez que os independentes sentiram que a direção nacional do PS se estava a tentar apropriar da candidatura.