Sociedade

"Sempre que bloqueava um número no telemóvel, ele ligava com outro"

O i foi conhecer a história de alguns millennials que experienciam o melhor e o pior da Internet, desde os que utilizam aplicações e redes sociais para estenderem a sua teia de relacionamentos, como os que foram vítimas do lado mais cruel da web.

Ana, 23 anos, Lisboa

"Em outubro de 2016, estava na reitoria da faculdade a tratar da bolsa de estudo e ele estava lá. Era estrangeiro e queria saber se podia pedir também a dele. A senhora da faculdade não sabia falar bem inglês e eu servi de intérprete. Depois ofereci-me para o ajudar porque tínhamos percebido que a bolsa da Direção Geral de Ensino Superior não abarcava estrangeiros. Trocámos contactos e eu disse-lhe que ia procurar bolsas de estudo para estudantes paquistaneses em Portugal. Depois enviei-lhe as coisas. Ele começou a falar cada vez mais e mais, a mostrar-me ligeiramente obcecado comigo. Mesmo insistente, a falar a toda a hora. Enviava-me fotos que tinha encontrado no Facebook do meu irmão, disse que o tinha adicionado, etc, etc.. Comecei a não achar piada à brincadeira e bloqueei-o do Facebook. Começaram as mensagens e as chamadas a toda à hora. Sempre que bloqueava um número no telemóvel, ele ligava com outro. Até hoje, foram 8 números no total, sete portugueses e um paquistanês. Recebia mensagens e chamadas a toda a hora que iam para o filtro de assédio do telemóvel. Bloqueei-o também no whatsapp, e ele continuou, também por lá, a enviar mensagens de diferentes números. Na última conversa, na semana passada, eu disse que aquilo era stalking e perguntei se queria que fosse à polícia. Ele respondeu: “Falas da polícia, achas que isso é a maneira certa de falar? Ouve, menina, eu venho de uma família com muito boa reputação no meu país e também em Portugal” e terminou por aqui. Pelo menos, até agora."