Economia

Combustíveis. Saiba como poupar na fatura

Recorrer aos postos low-cost, optar por combustíveis simples, usar e abusar de cartões de desconto são alguns dos truques usados pelos condutores portugueses

Para fazer face ao sobe e desce dos preços dos combustíveis os consumidores portugueses multiplicam-se em ações para conseguirem reduzir o preço a pagar na fatura final. As fórmulas são simples e passam por recorrer a vales de descontos, aos combustíveis simples e por abastecer em bombas low-cost. Vale tudo desde que a missão seja gastar menos.

A verdade é que, em 2015, governo deu um empurrão para ajudar a reduzir a fatura do combustível. Desde essa altura, passou a ser obrigatório todos os postos de abastecimento venderem combustíveis simples.

Em teoria, os combustíveis simples são mais económicos do que os normalmente comercializados nos postos de abastecimento, mas a diferença de preço será mínima. Ainda assim, a APETRO tem afirmado que não é possível às petrolíferas praticarem os preços das grandes superfícies “alterando apenas um dos fatores de redução dos preços”, já que a carga fiscal praticada em Portugal tem um peso muito grande no valor final a cobrar ao cliente.

Quanto à sua qualidade, a Associação de Defesa do Consumidor (DECO) garante que “não há nada a temer em relação à qualidade dos combustíveis simples”, com base num teste, às cegas, realizado pela própria associação em dezembro de 2012, que chamaram “Igual ao Litro”.

Mas vamos a números. No ano passado, os condutores portugueses gastaram no ano passado cerca de 19 milhões de euros por dia em combustíveis, segundo dados do relatório sobre o consumo de combustíveis simples. E o mesmo documento revela que o gasóleo e a gasolina simples foram privilegiados pelos portugueses, em comparação com combustíveis aditivados. No consumo nacional, os combustíveis simples representaram no ano passado 70% do total.

A verdade é que o principal fator terá sido o preço já que preferência fez com os automobilistas poupassem, em média, seis cêntimos por litro, no caso do gasóleo, ou dois cêntimos por litro, no caso da gasolina. Isto significa que num depósito que comporte 50 litros, a poupança pode chegar a 2,5 euros em carros a gasóleo ou a um euro para carros a gasolina.

Fidelização Apostar em combustível de marca continua ainda a ser a estratégia seguida pelos portugueses. E os números falam por sim: metade dos condutores portugueses abastece sempre as suas viaturas em postos de combustível de marca e gasta menos de 40 euros por cada abastecimento, segundo um estudo da Nova IMS (Information Management School) que analisou os hábitos de consumo de combustíveis.

Segundo os mesmos dados, 51% dos inquiridos prefere abastecer apenas em postos de combustível de marca e apenas 12% afirma utilizar também os postos low cost. Já numa análise por género, verifica-se que cerca de 42% das mulheres e 47% dos homens referem abastecer o veículo até duas vezes por mês, sendo que 56% dos homens e 46% das mulheres dizem abastecer o veículo com menos de 40 euros por cada ida ao posto de combustível.

E a razão apontada para esta escolha é simples: mais quilómetros por depósito, ter descontos e a limpeza do motor são os aspetos considerados mais importantes na escolha de um combustível com aditivos.

A verdade é que as quatro grandes petrolíferas Galp, Repsol, BP e Cepsa continuam atentas ao fator que mais pesa na decisão dos consumidores. A verdade é que as petrolíferas sempre apostaram em cartões de fidelização com pontos que se podiam trocar, mas tiveram de encontrar promoções alternativas que respondessem à principal aspiração dos clientes: descontos na hora e no preço final.

Outra aposta é o desconto por dia ou fim de semana, a iniciativa que mais impacto tem no aumento das vendas e que até consegue trazer de volta alguns daqueles antigos clientes que foram seduzidos pelos supermercados.