Internacional

Ariana Grande tinha concerto marcado em Lisboa

Explosões que interromperam concerto da cantora norte-americana em Manchester com pelo menos 19 mortos e dezenas de feridos aconteceram a três semanas do concerto que marcaria a sua estreia em Portugal, depois de já no ano passado ter sido cancelada a sua atuação no Rock in Rio Lisboa. Com Ariana Grande devastada pelos acontecimentos desta noite, em risco está pelo menos o concerto de quinta-feira, em Londres.


Ariana Grande terá escapado ilesa às explosões que interromperam na noite desta segunda-feira o seu concerto em Manchester, integrado na digressão de apresentação do seu terceiro disco, “Dangerous Woman”. Pouco depois das explosões que se fizeram sentir naquela que é a maior sala de espetáculos fechada do Reino Unido, com capacidade para 21 mil pessoas, e que fizeram 19 mortos e cerca de 50 feridos, veio um porta-voz da sua editora dizer que a cantora estava “okay”, sem que fossem adiantados mais pormenores.

Continua, contudo, por esclarecer o que acontecerá depois disto com a digressão “The Dangerous Woman Tour”, que começou a 3 de fevereiro em Phoenix, no Arizona, e que depois de Manchester deveria seguir pelo resto da Europa — com passagem pela MEO Arena, em Lisboa, já a 11 de junho — e depois para a América Latina e pela Ásia.

Segundo avança o site TMZ, citando fontes próximas da cantora, pelo menos o próximo concerto da digressão, que deveria ter lugar na próxima quinta-feira na O2 Arena de Londres, poderá não se realizar, não só por razões de segurança mas porque Ariana Grande, devastada pela notícia de que pelo menos 19 pessoas morreram na sequência das explosões que interromperam o concerto em Manchester, não estará “em condições de atuar”.

A ser cancelado o concerto na MEO Arena, que marcaria a estreia da cantora em Portugal, seria o segundo ano consecutivo em que Ariana Grande cancelaria uma atuação em Lisboa. No ano passado estava prevista uma atuação no Rock in Rio Lisboa, cancelada em cima da hora devido a uma inflamação na garganta que a levou a cancelar várias datas. O concerto foi na altura substituído por uma atuação extra de Ivete Sangalo. Os bilhetes para o concerto em Lisboa foram postos à venda por valores entre os 30 e os 80 euros. 

Ao que tudo indica, estas explosões, que estão a ser tratadas pela polícia como um ataque terrorista, terão ocorrido fora da sala, ao contrário do que aconteceu no ataque ao Bataclan, em Paris, a novembro de 2015, durante um concerto de Eagles of Death Metal, do qual os membros da banda escaparam também ilesos.