Politica

Jerónimo avisa que governo corre o risco de "frustrar as expectativas"

"Ninguém pense que o PCP poderia funcionar como peninha no chapéu", disse o secretário-geral dos comunistas 

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, considera que o governo corre o risco de "frustrar as expectativas" dos portugueses.

Em entrevista à Antena 1, o líder comunista, numa referência à necessidade de alterar a legislação laboral do tempo da troika e efectuar a reforma das longas carreiras contributivas, avisou que "o pior que há em política é frustrar as expectativas” e o governo "corre esse risco".

Jerónimo disse que parece "haver compreensão" do primeiro-ministro para essas questões, mas "o problema é a sua efectivação".

O secretário-geral dos comunistas comentou ainda o desafio de António Costa para que a geringonça continue a existir mesmo que o PS tenha maioria absoluta. "Ninguém pense que o PCP poderia funcionar como peninha no chapéu", disse Jerónimo de Sousa, reafirmando que "este caminho conjunto resultou de uma conjuntura muito concreta que não é repetível".  

Jerónimo falou ainda do processo de negociações do Orçamento do Estado para o próximo ano e garantiu que "não está no papo” e que é “exagerado dizer que está a andar sobre rodas”. A posição do PCP, garantiu, será determinada pelo "exame comum das propostas".