Economia

TAP. Frasquilho será ‘chairman’ e Lacerda Machado vogal

Nomeação já tem aprovação dos acionistas privados. Assembleia geral marcada para dia 30.


Miguel Frasquilho vai ser o novo presidente do Conselho de Administração da TAP, noticiou sábado o semanário “Expresso”, avançando ainda o nome do advogado Lacerda Machado e da líder da Fundação Serralves, Ana Pinho, para vogais.

O jornal refere também que, do lado dos privados, entra um representante dos chineses da HNA, que participa no consórcio Atlantic Gateway. Já o “JdN” adiantou que a nomeação pelo Estado de Frasquilho já tem aprovação dos acionistas privados da Atlantic Gateway

O nome de Miguel Frasquilho, ex-presidente da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP) era falado há alguns meses.  O anúncio da saída da AICEP foi feito no início de março, mas até sábado não se sabia onde Frasquilho iria trabalhar.

As nomeações foram confirmadas pelo ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques. Ontem, no seu comentário político na SIC, Marques Mendes revelou que o ex-secretário de Estado do Turismo Bernardo Trindade, a gestora Esmeralda Dourado e o ex-presidente da SATA António Gomes de Menezes serão os outros três administradores não executivos da TAP, em representação do Estado.  

A 30 de maio, Pedro Marques já tinha afirmado à agência Lusa que o Conselho de Administração da TAP terá seis elementos indicados pelo Estado, detentor de 50% do capital, e seis elementos escolhidos pelo consórcio Atlantic Gateway, dos empresários Humberto Pedrosa e David Neeleman, com uma participação de 45%. O chairman nomeado pelo Estado terá voto de qualidade.

A Assembleia-Geral Extraordinária, que visa deliberar sobre o conselho de administração, está marcada para 30 de junho, na Meo Arena, quase 17 meses depois de assinado o memorando de entendimento para a privatização da TAP. 

Oferta Pública de Venda

No final do mês passado ficou concluída a Oferta Pública de Venda (OPV) de 5% do capital social do grupo aos trabalhadores da TAP.

A venda de até 5% da TAP aos trabalhadores faz parte do memorando de entendimento assinado entre o Estado e a Atlantic Gateway, que comprou a empresa em meados de 2015. 

A OPV era um dos compromissos assumidos para a reconfiguração do capital social da TAP, passando o Estado a deter 50% do capital, em vez dos 39% negociados pelo Governo anterior. 

O acordo prevê que todos os administradores tenham experiência empresarial relevante, designadamente no transporte aéreo. Entretanto, o atual CEO da TAP explicou que a sua posição “depende totalmente dos acionistas”, que o seu “desafio continua até ao último dia”  e que está satisfeito com o trabalho feito “Cumpri a minha missão”, disse Fernando Pinto.

Os comentários estão desactivados.