Economia

Agricultores pedem maior conciliação nas negociações

Irlanda do Norte, País de Gales e Escócia são as regiões que mais recebem fundos de apoio à agricultura. 

Na semana que passou, tanto o Presidente francês, Emmanuel Macron, como o ministro das Finanças da Alemanha, Wolfgang Schäuble, assinalaram que, se o Reino Unido quiser voltar atrás as portas da União Europeia (UE) estão abertas. Mas, lembram, essa é uma decisão britânica e quando as negociações começarem será difícil retroceder.

Além das dificuldades de negociação na questão da união aduaneira e no acesso ao mercado único, a agricultura é outro tema sensível.

Os maiores subsídios europeus à agricultura são para o País de Gales, Irlanda do Norte e Escócia e a meio da semana o presidente da União de Agricultores Britânicos (UAB) defendeu que o governo inglês deverá procurar um tom mais conciliatório na estratégia de negociação do Brexit.

«O governo tem de perguntar-se a si mesmo se as eleições gerais lhe atribuíram um mandato para o Brexit que ambicionava. Diria que não», considerou a presidente da UAB. 

De acordo com Meurig Raymond, «está na altura de o governo britânico adotar uma postura mais consensual e colaborante para o Brexit na minha opinião, é a única saída». 

O responsável, citada pela agência Reuters, revelou que isto implica uma «posição mais conciliatória nas negociações, trabalhar numa melhor parceria com a UE para assegurar um resultado que seja benéfico para os dois lados».

De acordo com Meurig Raymond, a questão mais importante para o setor agrícola é assegurar um «comércio livre de tarifas e um acesso ao mercado único europeu sem fricções». 

Segundo o responsável, isto poderá acontecer através de um acordo aduaneiro sofisticado ou o Reino Unido continuar como membro da União Aduaneira.

Mudança de ministro

O ministro responsável pela agricultura mudou depois da eleição, como Michel Gove a substituir Andrea Leadsom. Gove já tinha sido ministro da Educação e também ministro da Justiça e é visto como um reformador. 

«Se ele vai ser um reformador não tenho bem a certeza mas agora temos um membro muito proeminente no Ministério do Ambiente, Alimentação e Assuntos Rurais», aponta Raymond. «É muito ambicioso, estou convencido que terá de defender bem a agricultura nos próximos meses e parece-me bem preparado».

O Brexit vai alterar o funcionamento económico da UE. O acordo que sair das negociações que deverão começar esta semana marcará o futuro europeu.