Sociedade

Ordem dos médicos apoia greve dos farmacêuticos

Sindicato dos farmacêuticos convocou uma greve para os dias 18 e 19 de julho e outra a 1 de agosto. É a primeira em 20 anos

A Ordem dos Médicos está a favor da greve convocada pelos farmacêuticos para os próximos dias 18 e 19 de julho e 1 de agosto. Em declarações à TSF, Miguel Guimarães, bastonário da Ordem dos Médicos, afirmou que as carreiras profissionais "são a essência do Serviço Nacional de Saúde" e o "primeiro passo" para a qualidade do sistema, após ter estado reunido com a bastonária da Ordem dos Farmacêuticos, Ana Paula Martins, para analisar o impacto da atividade farmacêutica no Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Em março, o governo e os farmacêuticos tinham acordado uma proposta de um diploma para implementar a carreira dos farmacêuticos na administração pública, sem impacto orçamental. Na semana passada, porém, o governo voltou atrás com a decisão, alegando uma alteração da posição do Ministério das Finanças. Um cenário visto como "inadmissível" pelo bastonário da Ordem dos Médicos, enquanto a Ordem dos Farmacêuticos apela ao governo para reconsiderar a reversão da proposta do diploma.

Por essa razão, o Sindicato dos Farmacêuticos decidiu, pela primeira vez em 20 anos, convocar uma greve. De acordo com a bastonária da Ordem dos Médicos, a paralisação pode ter um impacto bastante negativo na preparação e distribuição dos medicamentos para o tratamento de doenças oncológicas e infecciosas, com Ana Paula Martins a avisar que vários tratamentos vão ficar condicionados.