Internacional

Trump admite que Rússia interferiu nas eleições

Presidente critica Rússia na vépera de um encontro com Putin

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reconheceu que a Rússia pode ter interferido nas eleições que o puseram na Casa Branca, mas fez questão de sublinhar que outros países também poderiam estar envolvidos.

“Penso que provavelmente terá sido a Rússia [ataque informático nas eleições presidenciais de 2016]. Penso que podem ter sido outros países, não serei específico. Penso que muitas pessoas interferiram”, disse Trump em Varsóvia.

Trump garantiu que os Estados Unidos estão a trabalhar com os aliados para conseguirem fazer frente "às ações da Rússia e ao seu comportamento desestabilizador". Recorde-se que estas declarações foram feitas na na véspera de se encontrar com o Presidente russo, Vladimir Putin, à margem da reunião do G20 em Hamburgo, na Alemanha.

Questionado sobre as declarações do Presidente norte-americano, o porta-voz do Kremlin disse, citado pela Reuters, que não concordava com a abordagem de Trump e que a Rússia aguarda o encontro entre os dois líderes com expectativa.

Na visita a Varsóvia, onde esteve com o homólogo polaco Andrzej Duda, Trump também criticou o seu antecessor Barack Obama por ter sido informado pela CIA de que a Rússia estava por trás do ataque informático em agosto de 2016.

Para Trump, Obama nada fez porque estaria convicto de que seria Hillary Clinton a ganhar as eleições, se pensasse que havia probabilidade de ser o contrário, o atual Presidente acredita que o antecessor teria tomado medidas.

Trump aproveitou ainda a ocasião para criticar a Coreia do Norte e o seu "muito, muito mau comportamento", deixando o aviso de que terá de haver consequências para o lançamento de mísseis.

"Não temos só de proteger as nossas nações da ameaça terrorista, também temos de enfrentar a ameaça da Coreia do Norte", disse Trump, acrescentando: "É isso que é: uma ameaça, e vamos enfrentá-la em força".