Sociedade

Enfermeira atacada à saída de hospital em Almada

A intenção do agressor seria a de violar a enfermeira, o que não aconteceu graças à resistência da própria e a intervenção de outra pessoa

Uma enfermeira do Hospital Garcia de Orta foi agredida, terça-feira, no parque de estacionamento, por um homem, que fugiu mas já foi localizado e levado a tribunal.

A intenção do agressor seria a de violar a enfermeira, o que não aconteceu graças à resistência da própria e a intervenção de outra pessoa.

O hospital já fez saber que será criado um grupo de trabalho para avaliar o dispositivo de segurança. "Vai ser criado um grupo de trabalho para voltar a analisar toda a metodologia e equipamentos até agora usados e, caso assim seja considerado, sugerir eventuais melhorias", lê-se no comunicado da administração.

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) também já reagiu ao ataque, sublinhando que a enfermeira foi "violentamente agredida” quando se dirigia para o seu carro, após ter estado de serviço.

Para o SEP, o “violento episódio seria evitável, caso existissem medidas de segurança adequadas no perímetro do hospital". O sindicato exige assim "o reforço da segurança no Hospital Garcia de Orta, com particular urgência para a zona do parque de estacionamento”.

A administração do hospital garantiu que "a profissional em causa já está a receber o apoio considerado necessário nestes casos", e frisou que existem "medidas de segurança como videovigilância, rondas sistemáticas por câmara existente na central de segurança e rondas efetuadas por pessoal da empresa de segurança que presta serviço a este hospital".

"No caso concreto, foi graças a estes meios que o agressor foi identificado, localizado pelas autoridades policiais e presente a tribunal, no prazo de 48 horas", referiu ainda a administração do hospital.