Economia

Dow Jones bate recorde impulsionado por resultados da Apple

Empresa tecnológica conseguiu lucros de 8,72 mil milhões de dólares no terceiro trimestre fiscal, um aumento de 11,8% em relação a 2016

O índice industrial Dow Jones superou ontem os 22.000 pontos, nova marca histórica, impulsionado pela forte subida das ações da Apple depois de divulgados os resultados. Os títulos subiram ontem quase 6%, atingindo um valor recorde próximo dos 158 dólares por ação.

A empresa de tecnologia revelou que no terceiro trimestre fiscal deste ano conseguiu lucros de 8,72 mil milhões de dólares (7,3 mil milhões de euros), um crescimento de 11,8% em relação ao período de entre abril e junho de 2016.

No período em análise a Apple registou receitas de 45,41 mil milhões de dólares, um crescimento de 7% das receitas em relação aos mesmo trimestre do ano passado, o que corresponde ainda a um ganho por ação de 1,67 dólares.

iPhone marca ritmo

O principal produto da empresa continua a ser o iPhone, apesar de os serviços terem conseguido o crescimento mais significativo. No ano em que o telefone celebra uma década, a marca conseguiu vender 41 milhões de unidades, o que deu à Apple 24,8 mil milhões de dólares, quase metade das receitas totais.

De acordo com a agência Bloomberg, há mais gente a comprar iPhones mais caros e a marca prepara uma edição especial do iPhone para assinalar os dez anos do lançamento.

Em pouco mais de uma década a Apple vendeu mais de 1,7 mil milhões de iPhones. Há pouco mais de um ano a Apple tinha ultrapassado a marca dos mil milhões.

O iPad foi o segundo produto mais vendido, com um aumento de 15% para as 11,4 milhões de unidades e uma receita de 4,9 mil milhões de euros para a Apple. A justificar a subida nas receitas está ainda o crescimento das vendas dos novos computadores MacBook – 5,5 milhões de dólares –, assim como no segmento dos serviços.

As receitas com serviços como a App Store e o Apple Music dispararam 22% em termos homólogos, para um total de 7,2 mil milhões de unidades e receitas acima das dos computadores.

Na análise geográfica, as vendas cresceram em todo o mundo, com exceção da China – onde contraíram 10% – e 61% do total foram em mercados fora dos EUA, com destaque para os países emergentes, em que o aumento foi de 19%.

No próximo trimestre fiscal, a Apple estima obter receitas entre 49 e 52 mil milhões de dólares. Com estas previsões, a Apple sinalizou que espera fortes vendas dos novos iPhones que serão lançados ainda este ano. Costuma ser em setembro que a empresa os apresenta e este ano deverá manter a tradição. Na apresentação dos resultados trimestrais, o CEO da empresa, Tim Cook, disse que gosta do que antevê para a época do regresso às aulas.

Crescimento em 2017

O índice Dow Jones, em 2017, já subiu 11%, mesmo com Wall Street a perder a confiança na capacidade do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, para implementar a sua agenda pró-crescimento, que incluía o aumento dos gastos em infraestruturas e a redução de impostos.

Este índice atingiu os 20.000 pontos em janeiro e superou os 21.000 pontos pouco tempo depois, a 1 de março, impulsionado pela subida do Goldman Sachs e do JPMorgan.

“Os investidores estão completamente imunes a todo o drama que está a decorrer em Washington, porque se olharmos para a evolução do Dow parece que está tudo ótimo”, comenta um analista citado pela agência Reuters.