Médio Oriente

Israel quer fechar delegação da Al-Jazeera

O ministério das Comunicações de Israel anunciou ontem que tem a intenção de fechar a delegação da Al-Jazeera por “incitar a violência”. Há vários anos que as autoridades de Telavive acusam a cadeia de televisão do Catar de  acusam a Al-Jazeera de “parcialidade” na cobertura do conflito israelo-palestiniano.

A cadeia caterense contesta a decisão e revelou que vai levar o caso à Justiça. “A Al Jazeera contesta esta medida por parte de um Estado que finge ser a única democracia do Médio Oriente”, disse à agência AFP um responsável da televisão, que vai levar contestar a decisão através “dos procedimentos legais e judiciários apropriados”.

Em julho  o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu,  já tinha revelado que queria expulsar a Al-Jazeera, acusada de exacerbar tensões à volta dos lugares santos de Jerusalém. 

O ministério das Comunicações de Israel revelou que vai pedir a anulação das credenciais dos jornalistas da Al-Jazeera, bem como o fim da ligações a cabo e por satélite da emissora. 

O comunicado diz ainda que Telavive vai também tentar limitar as capacidades de transmissão da cadeia através das ligações “abertas que permitem à maioria dos telespetadores da comunidade árabe israelita terem acesso” à Al-Jazeera.

Por seu lado o Ministério da Segurança interna vai fdar início ao procedimento para fechar os escritórios do canal no país.

O anúncio sobre o silenciamento da Al-Jazeera surge após duas semanas de tensões em torno da esplanada das Mesquitas em Jerusalém-leste, onde o Estado hebraico instalou instalou e pouco depois retirou um novo dispositivo de segurança, duramente criticado pelos palestinos e pela comunidade internacional