Desporto

Mayweather e McGregor. Acabou a espera para o combate mais desejado dos últimos tempos

Em 3, 2, 1... Vai começar! Depois da luta fora dos ringues que consistiu em inúmeras provocações entre o ídolo do boxe, Mayweather, e a estrela da UFC, McGregor, está na altura
de os dois pugilistas assumirem a verdadeira batalha.

O “Combate do Ano ou Combate do Século”, “A Luta dos Milhões” ou simplesmente “O Maior Evento Desportivo do Ano” são apenas algumas das expressões utilizadas para descrever o confronto com que muitos já sonhavam há anos...

Hoje é o dia. Floyd Mayweather Jr. e Conor McGregor medem forças este sábado [00h00 de domingo em Portugal continental, SportTV1] no T-Mobile Arena, em Las Vegas, naquele que já é conhecido como o ‘Combate do Ano’. Retirado dos ringues desde setembro de 2015, após ter derrotado o pugilista norte-americano duas vezes campeão do mundo Andre Berto e, consequentemente, igualado o número de vitórias do lendário peso pesado Rocky Marciano (49-0), Mayweather, aos 40 anos, decidiu que era altura de voltar à luta. Literalmente. A principal razão é... o seu oponente. McGregor, ou simplesmente ‘The Notorious’, lutador irlandês de artes marciais mistas (MMA), atual campeão peso-leve (70kg) do UFC (Ultimate Fighting Championship) e um dos mais prestigiados atletas da sua geração. Com menos 12 anos do que o seu rival, Conor teve a capacidade, à semelhança do veterano, de mover uma legião de fãs para onde quer que fosse. O combate, que sempre fez correr muita tinta apesar de, durante os últimos anos, não ter passado um mero rumor, torna-se agora real. E há muito em jogo.

Por um lado, o pugilista invicto na carreira, Mayweather, procura um feito histórico. Caso vença a luta de hoje, o multicampeão de boxe atinge o quinquagésimo triunfo (em 50 lutas na sua carreira), número que o colocaria na frente do mexicano Ricardo ‘Finito’ López que com 51 vitórias e um empate nas 52 lutas que disputou é único pugilista com um cartel superior ao de Mayweather. Além disso, para “The Money” – alcunha conquistada pelo norte-americano que já ganhou qualquer coisa como mil milhões de euros ao longo das duas décadas (de sucesso) que dedicou à modalidade –, o que está em jogo é, sobretudo, o seu legado. «Eu acredito honestamente que estou a arriscar bastante. É uma recompensa para ambos, mas o risco é maior para mim. Tenho o cartel de 49-0, e quando um lutador já perdeu antes e perde novamente, não é nada, mas quando é alguém que dominou por 20 e poucos anos e nunca perdeu, tudo está em jogo. O meu legado, o meu cartel no boxe... Está tudo em jogo», disse em conferência de imprensa.

Por sua vez, o lutador irlandês de 29 anos tenta tocar o céu. Independentemente das três derrotas que detém no seu curriculum, em caso de vitória sobre ‘o melhor atleta de todos os tempos’, a estrela do UFC atingiria um pedestal nunca antes conseguido por nenhum homem e poderia, até, abrir portas para possíveis combates que ligassem o boxe com o MMA.

Todavia, a ‘superluta’ de hoje vai desenrolar-se de acordo com as regras do boxe e luvas de 8 onças (226 gramas), razão pela qual muitos acreditam que não há salvação ou esperança para o novo menino de ouro dos ringues, ele que nunca participou numa luta profissional dessa modalidade.

 

‘Conor McGregor será assassinado’

O mítico e conceituado ex-pugilista norte-americano, Mike Tyson, ele próprio protagonista de uma das lutas mais relembradas de todos os tempos [ver caixa pág. seguinte], foi um dos nomes reconhecidos do mundo do boxe que comentou o duelo, já descrito pela imprensa internacional como «o maior evento desportivo do ano». No programa desportivo Pardon My Take, Tyson não precisou de se estender nas palavras para elaborar a antevisão do combate. Na sua perspetiva foi um erro por parte de McGregor aceitar este desafio, que considera ser desigual. «McGregor será assassinado. Boxe? [relativamente às regras do combate]. Eu fiquei chateado porque achei que eles usariam regras de MMA contra o boxe, pois é disso que se trata. Pode um boxeador bater num lutador de MMA? Conor colocou-se numa posição onde ele será ‘nocauteado’. Ele [McGregor] não terá muitas hipóteses», rematou o atleta reformado de 51 anos.

No entanto, Owen Roddy, treinador de McGregor, acredita que se há alguém capaz de bater o pugilista invencível é... o campeão do UFC. «Não tenho dúvidas na minha cabeça de que ele [Conor McGregor]vai conseguir. Acho que será uma das noites mais loucas de todos os tempos. É um risco alto, mas se existe alguém capaz de o fazer, esse alguém é Conor. Ele choca o mundo. Sempre que luta as pessoas duvidam. Sabemos do que Conor é capaz. Acho que [Conor McGregor] vai derrubá-lo. Acho que vai nocautear Floyd. Acho, sim, que levará alguns rounds. Ele faz coisas excecionais. Se ele diz que vai chegar lá e nocautear, eu acho que ele vai chegar lá e nocautear», declarou o orientador, em entrevista ao site The MMA Hour.

 

O combate fora do ringue

As provocações entre “The Money” e “The Notorious” têm sido, de resto, uma constante. As redes sociais foram o meio predileto e o principal veículo dos desaguisados entre o ícone do boxe, que não se coíbe de ostentar a sua vida de luxo nas redes, e o ídolo dos pesos-leves. Em dezembro do ano passado, McGregor, célebre pelo seu jeito provocador, publicou na sua conta oficial do Instagram uma montagem em que aparece de luvas de boxe ao lado de Mayweather. A legenda que acompanhava a fotografia trazia um aviso: «Eu vou partir a cara dele». Um post em resposta ao vídeo dias antes partilhado pelo norte-americano. em que aparece a regozijar-se de uma derrota de McGregor para Nate Diaz por nocaute, prometendo 10 mil dólares ao fã que fizesse a melhor legenda. Mais recentemente o irlandês, que confessou em entrevista que «vai conquistar o mundo do boxe», voltou a usar as redes para provocar o seu adversário. Desta feita, e para anunciar a confirmação da superluta, McGregor decidiu colocar ao lado do seu rosto uma fotomontagem do pai de Mayweather (antigo pugilista, agora com 64 anos) de forma a ridicularizar a idade de Mayweather Jr. Na passada segunda-feira, McGregor voltou ao ataque. «Acorda, Floyd. Está tudo acabado», escreveu a acompanhar uma fotografia em que surge com os mãos ao alto, no ringue, em clara celebração de vitória, ele que é curiosamente afamado por adiantar a forma de como irá terminar as suas lutas.

Previsões essas que normalmente acontecem, diga-se. Contudo, as desavenças entre os dois foram mais longe que as farpas trocadas online. Em julho, num dos eventos proporcionados pela turné da divulgação do combate, Conor McGregor deixou uma promessa perante o pugilista aposentado. «Vou derrubá-lo nos primeiros quatro rounds, decorem as minhas palavras!». Já Mayweather respondeu recorrendo ao seu argumento preferido: o dinheiro, fazendo referência aos 3 milhões de dólares que McGregor amealhou na sua última luta no UFC. «Isso é dinheiro de treino para mim», atirou. O clima de hostilidade, de tal forma evidente e em crescendo, obrigou inclusivamente a que Dana White, presidente da UFC, tivesse que serenar os ânimos intrometendo-se entre os dois pugilistas. Recorde-se que apesar protagonismo que o UFC tem conseguido ganhar nos últimos tempos os prémios do MMA comparados com os do boxe são ‘irrisórios’.

 

A luta dos milhões

Continuando na rota do dinheiro, outro dos aspetos mais comentados da superluta entre Mayweather e McGregor está, naturalmente, relacionado com os milhões de euros que o evento vai gerar. Com um sistema de Pay-Per-View revenues (Receitas de Pagamento por Visualização) o maior lucro deverá mesmo chegar através da transmissão televisiva. De acordo com o britânico The Telegraph, os telespectadores dos EUA que quiserem assistir em em alta definição vão desembolsar qualquer coisa como 99 dólares (84 euros) para ver o combate, valor que desce 8 euros em definição normal. A juntar ao Pay-Per-View, que aponta para cerca de 60 milhões de espectadores, há a venda de bilhetes, que custam, no mínimo, 1.200 euros e no, máximo, 8.800 euros. A arena de Las Vegas tem capacidade para cerca de 20.000 pessoas, por isso, neste campo, esperam-se receitas de 70 milhões de dólares (praticamente 60 milhões de euros), montante que ainda dispara com os patrocínios e publicidades envolvidos. Segundo a mesma publicação, a estimativa é que a luta ultrapasse um valor astronómico de 500 milhões de dólares (423 milhões de euros), verba apenas comparável com o combate entre Mayweather e Manny Pacquiao, em maio de 2015. Já a revista Forbes aponta para receitas totais de 500 milhões de euros apenas em venda de transmissões, num bolo total que deverá ascender aos 600 milhões de euros. No que toca aos próprios protagonistas, os valores que os dois pugilistas irão lucrar também deixam qualquer um com a cabeça à roda. A imprensa internacional refere que o cachet base de Floyd Mayweather será de 84.7 milhões de euros em relação aos 63.5 milhões de euros que serão entregues a Conor McGregor. Um pagamento, todavia, que pode subir exponencialmente caso os objetivos traçados sejam alcançados. Nesse sentido, o lutador aposentado poderia atingir 338 milhões de euros e Conor McGregor 107 milhões de euros!