Internacional

Putin critica pressão ‘fútil’ sobre a Coreia do Norte

Presidente russo não concorda com a estratégia de constrangimento do programa nuclear norte-coreano e apela ao «diálogo direto».

Vladimir Putin veio a terreiro criticar as pressões que estão a ser levadas a cabo pela comunidade internacional para travar o programa nuclear da Coreia do Norte.

Num artigo publicado esta sexta-feira no site oficial do Kremlin, na antecâmara da cimeira dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), que se realiza na próxima segunda e terça-feira na cidade chinesa de Xiamen, o Presidente da Federação Russa apelou ao «diálogo direto», numa altura em que, alertou, a situação na Península da Coreia está «à beira de um conflito de larga escala».

«A Rússia acredita que a política de  pressão sobre Pyongyang, para travar o seu programa de mísseis nucleares, é enganosa e fútil. Provocações, pressões e retórica militarista e insultuosa são um caminho sem saída», escreveu Putin, numa clara indireta à postura assumida pela administração Trump e aliados dos Estados Unidos na região. «Os problemas na região devem ser resolvidos através do diálogo direto entre todas as partes envolvidas, sem quaisquer pré-condições», propôs o líder russo, que oficializa assim uma posição semelhante à adotada pela China.

Também hoje a França reagiu ao lançamento do míssil norte-coreano por cima do Japão e, pela voz do seu ministro dos Negócios Estrangeiros, Jean-Yves Le Drian, apelou à abertura de Kim Jong-un às negociações. Em declarações à RTL o diplomata disse acreditar que «daqui a uns meses» a Coreia do Norte vai mesmo conseguir «transportar armas nucleares» nos seus mísseis e pediu a Pyongyang para se tornar «diplomaticamente ativa».