Internacional

EUA lembram Coreia do Norte que a sua paciência “não é ilimitada”

Norte-americanos pedem ao Conselho de Segurança as “mais fortes medidas possíveis” contra Pyongyang que, dizem, está a “implorar por uma guerra”

Um dia depois da Coreia do Norte ter realizado o seu sexto ensaio nuclear, com uma alegada bomba de hidrogénio, o Conselho de Segurança das Nações Unidas voltou a reunir-se de emergência para debater o assunto e teve na representante dos Estados Unidos uma dos mais duras intervenções contra o regime de Kim Jong-un.

Nikki Haley, embaixadora dos EUA na ONU, pediu apoio aos restantes 14 membros do Conselho para castigar Pyongyang com as “mais fortes medidas possíveis” e revelou que a paciência norte-americana para com um país que está a “implorar por uma guerra” tem limites.

“A guerra nunca é algo que os Estados Unidos queiram. Não a queremos, mas a paciência do nosso país não é ilimitada”, assegurou a diplomata, citada pela BBC, defendendo ainda que é tempo de “esgotar todos os meios diplomáticos antes que seja tarde mais”.