Internacional

Secretário da Economia da Catalunha detido em ação contra referendo

A coligação pró-independência que governa a Catalunha quer realizar o referendo apesar da proibição do Constitucional


A Guardia Civil realizou, esta quarta-feira, várias buscas a edifícios do governo regional, no âmbito da ação contra o referendo da independência da Catalunha, suspenso pelo Tribunal Constitucional.

Na sequência da operação policial, o secretário-geral do Departamento de Economia catalão, Josep Maria Jové Lladó foi detido. 

As autoridades procuravam documentação relativa ao referendo. O primeiro-ministro Mariano Rajoy questionado sobre a operação justificou que "logicamente o Estado tem de reagir".

O chefe do executivo acusa o governo regional de “ignorar a lei”. "Não há um Estado de direito no mundo que aceite o que estas pessoas estão a propor, foram advertidos, sabiam que o referendo não poderia ser realizado porque isso é liquidar a soberania nacional e o direito que têm todos os espanhóis de decidir o que querem para o seu país", acrescentou, citado pelo La Vanguardia.

O mesmo jornal adianta que a operação da Guardia Civil resultou na detenção de 12 pessoas, e que ao todo foram realizadas buscas a nove locais, incluindo as instalações do Departamento de Economia e o gabinete do secretário das Finanças do governo autónomo da Catalunha, Lluís Salvadó.

Sublinhe-se que a coligação pró-independência que governa a Catalunha manifestou a intenção de realizar o referendo da independência a 1 de outubro, apesar da suspensão imposta pelo Tribunal Constitucional.

Os comentários estão desactivados.