Desporto

Ronaldo em busca da coroa de Messi

O astro do Real Madrid concorre com o arquirrival e também com Neymar na corrida à distinção de melhor do mundo. Se tudo correr como esperado, será a quinta para o seu museu.

Sem surpresa. Cristiano Ronaldo é um dos finalistas ao prémio de melhor jogador do mundo, atribuído pela FIFA e denominado The Best desde a temporada passada – quando se separou novamente da Bola de Ouro, distinção atribuída pelo jornal francês L’Équipe. O CR7 tem, como sempre, a companhia de Messi na corrida, mas também de Neymar, que já foi terceiro classificado em 2015 – posição que deverá repetir, num ano em que se tornou no protagonista da mais cara transferência da história do futebol, ao trocar o Barcelona pelo PSG por 222 milhões de euros.

Ronaldo, recorde-se, soma quatro troféus de melhor do mundo – seja na contabilização da FIFA, seja do L’Équipe. Números impressionantes, mas que ainda assim ficam aquém do registo de Messi, distinguido pelas duas entidades em 2009, 2010, 2011, 2012 e 2015. CR7 foi eleito melhor jogador do planeta em 2008, 2013, 2014 e 2016 e é este ano novamente o favorito à conquista do troféu, depois de ter vencido a Liga espanhola e a Liga dos Campeões, competição da qual foi o artilheiro – esteve particularmente inspirado na fase decisiva da prova, protagonizando verdadeiros espetáculos de futebol frente ao Bayern Munique e à Juventus, a quem marcou dois golos na final. Se não houver qualquer surpresa de última hora e for, de facto, Ronaldo a conquistar o troféu, fica desde já lançada a corrida ao prémio... de 2018, com Ronaldo empatado com Messi e jogadores como Neymar, Griezmann ou mesmo Mbappé ou Pogba, entre outros, na primeira fila da linha de sucessão.

Ronaldo está ainda noutra corrida: ao onze do ano da FIFA, onde tem a companhia de Pepe. CR7 é eleito para o onze do ano de forma consecutiva nos últimos dez anos, tendo sido até agora o único português a merecer tal distinção. Nesta lista, destaque para a presença de quatro jogadores com passado no campeonato português: Oblak, David Luiz, Casemiro e Matic.

A FIFA instituiu ainda um troféu para o melhor guarda-redes – até agora, esta posição não merecia distinção das outras. O primeiro vencedor do prémio será um destes três gigantes das balizas: Buffon (Juventus), Navas (Real Madrid) ou Neuer (Bayern Munique).

 

Nada de Special One

No que respeita aos treinadores, destaque para a ausência de qualquer português. José Mourinho e Leonardo Jardim estavam nos 12 nomeados, mas caíram da lista final de três nomes, composta por Zinedine Zidane (campeão espanhol e europeu pelo Real Madrid), Massimiliano Allegri (campeão italiano e vice-campeão europeu pela Juventus) e Antonio Conte (campeão inglês ao comando do Chelsea).

Realce também para o Prémio Puskás, destinado ao melhor golo do ano. Havia vários portugueses com legítimas aspirações a conquistar o prémio – do ‘chouriço’ de André Almeida ao golo impossível de Hugo Vieira no Japão, passando pelo chapéu a mais de 60 metros do defesa do Beira-Mar, Vítor Hugo –, mas nenhum convenceu o grupo de peritos, com nomes de peso como Henrik Larsson, Alan Shearer ou Predrag Mijatovic. Na lista final de dez nomeados para um prémio entregue pela primeira vez em 2008... a Cristiano Ronaldo, figura um golo de Matic, antigo jogador do Benfica, mas também dois apontados no escalão de juniores e um no futebol feminino.

A Gala da FIFA terá lugar no dia 23 de outubro, em Londres.