Politica

PCP: o resultado mais importante para a 'geringonça'

Em jogo nestas autárquicas não está só o futuro do PCP, mas também o que pode acontecer na 'geringonça'.

Os resultados do PCP serão uma mega-sondagem sobre o sucesso do apoio comunista ao Governo junto do seu eleitorado tradicional. Traduzindo: se o PCP perder votos - e presidências de câmara - em relação às eleições de 2013, a coisa terá repercussões na linha seguida até aqui e mesmo na liderança de Jerónimo de Sousa, que foi vítima de uma tentativa de afastamento há dois mas conseguiu sobreviver, sendo reeleito no congresso do PCP de novembro de 2016.

Os comunistas estão a dar o tudo por tudo para vencer a “verdadeira” sondagem. Mas não é fácil: se o PCP não tem sido penalizado nos estudos de opinião sobre intenções de voto nas legislativas, a verdade é que atingir o patamar de 2013 não é propriamente fácil. Nas últimas autárquicas, os comunistas conseguiram 11,06% dos votos, o correspondente a 552.690 votos. Subiram em votos expressos, em percentagem - o ponto de partida eram os 9,75% das autárquicas de 2009 - e obtiveram a presidênca de mais seis câmaras municipais. Tudo o que esteja abaixo disso será uma derrota com dificuldades muito maiores de ser maquilhada em vitória. Neste momento, a CDU preside a 34 câmaras municipais. 

Jerónimo lançou na Festa do Avante! o mote da campanha - é preciso eleger mais candidatos para ser possível obter mais cedências do Governo. «Mais votos na CDU são garantia de poder dar novos passos e avanços na resposta aos problemas do país, dos trabalhadores e do povo», disse Jerónimo. Mas não disse o contrário, que está implícito: menos votos na CDU são «garantia» de que o apoio ao Governo não foi uma estratégia bem sucedida para os comunistas. E se o pior dos cenários se confirmar (o PCP perder votos e câmaras de uma forma escandalosa) terá reflexos dentro da solução de Governo. O PCP ‘bonzinho’ que tem permitido aprovar orçamentos e, através do seu braço sindical CGTP, ‘autorizado’ a paz social, mudará de rota. E António Costa sabe isso perfeitamente. 

Dentro do PCP, a oposição ao apoio ao Governo PS existe, embora discreta e minoritária. Evidentemente que um mau resultado nas autárquicas daria à corrente que é contra a solução de Governo argumentos poderosos. Jerónimo de Sousa está a dar o tudo por tudo para evitar que os comunistas fiquem abaixo do resultado de 2013. Mas a ‘sondagem’ à sua atuação só será apresentada a 1 de outubro.