Desporto

Piqué chora e admite deixar a seleção de Espanha (com vídeo)

Central do Barcelona muito abalado com os acontecimentos relacionados com o referendo na Catalunha

Foi um Piqué emocionado, aquele que se apresentou aos jornalistas após o apito final do Barcelona-Las Palmas. Pró-independentista convicto, o central do Barça mostrou-se muito triste devido aos incidentes ocorridos na Catalunha e considerou mesmo ter vivido este domingo a "experiência profissional mais difícil da carreira". Reunimo-nos com o presidente no balneário e decidimos jogar, porque a Liga e o Las Palmas queriam que jogássemos. Mas foi a experiência profissional mais difícil que tive: só queria que o jogo acabasse o quanto antes, conquistar os três pontos e ir embora", começou por dizer.

Ao ser questionado diretamente sobre o ocorrido no domingo por toda a região, Piqué acabou por soltar algumas lágrimas, dando conta da sua frustração. "Foi um dia muito duro, em que famílias queriam votar e a Polícia Nacional e a Guarda Civil Espanhola... as imagens falam por si. O mundo inteiro viu as imagens e haverá consequências. Quando se vota, fazemo-lo 'sim', 'não' ou em branco... mas vota-se. Neste país, durante muitos anos de franquismo, não se podia votar. Sou e sinto-me catalão e hoje, mais do que nunca, sinto-me orgulhoso das pessoas na Catalunha que se comportaram de forma maravilhosa nestes setes anos, em que não houve qualquer violência e hoje veio a Polícia Nacional e a Guarda Civil Espanhola, que atuaram desta forma. Estamos num país que tem um chefe de governo (Mariano Rajoy) e um partido (PP) que utiliza todos os meios para mentir. Foi uma das piores decisões dos últimos 50 anos e só vai separar mais a Catalunha da Espanha, mas temos um primeiro-ministro que tem o nível que tem, que nem sabe falar inglês", disparou.

Sobre a possibilidade de deixar de representar a seleção espanhola, Piqué não a enjeitou: "Acho que posso continuar a ir à seleção espanhola, porque há muita gente em Espanha que desaprova estes atos e acreditam na democracia. Mesmo votando sim (na independência da Catalunha), penso que posso ir à seleção espanhola, pois o meu passaporte e ADN são espanhóis. Ir à seleção não é uma questão patriótica, é ir e dar o máximo. Houve muitos que se naturalizaram e sentiam tanto a seleção como outros. É uma questão de ir e ganhar. Mas se Lopetegui ou a Federação Espanhola entenderem que sou um problema, deixo a seleção antes de 2018."

Veja aqui o vídeo com as palavras de Piqué.

 

Piqué, en #Radioestadio: "Si el mister o la @rfef piensa que soy un problema me echaré a un lado y dejaré la @SeFutbol antes de 2018" pic.twitter.com/rlJAVjDjSZ

— Radioestadio (@Radioestadio) 1 de outubro de 2017