Vida

Suspeito da morte de jornalista sueca tinha vários vídeos de decapitações guardados

Jornalista desapareceu no dia 10 de agosto
 

No seguimento da investigação da morte da jornalista sueca que terá sido, alegadamente, assassinada por Peter Madsen, o inventor dinamarquês que entrevistou antes de morrer, consta-se agora que foram encontrados vários vídeos de mulheres a serem torturadas e decapitadas, num disco guardado num laboratório onde trabalhava Madsen.

A jornalista Kim Wall desapareceu a 10 de agosto, após embarcar no submarino de Peter Madsen enquanto trabalhava numa história sobre o inventor.

Passados onze dias, o torso da jornalista foi encontrado perto de Copenhaga, no Báltico, com sinais visíveis de violência.

Desde então, Madsen encontra-se em prisão preventiva pelo homicídio da jornalista, e o caso torna-se agora mais forte com a descoberta de vários vídeos de tortura e de decapitação de mulheres.

Contudo, Madsen afirma que as imagens encontradas não são dele e que todos os que trabalhavam no laboratório tinham acesso ao disco externo, avança a BBC.