Politica

Centeno: PSD e CDS eram os "Paladinos da austeridade"

O minsitro das Finanças começou o segundo dia de debate do Orçamento do Estado a falar do que o Estado atingiu

Mais emprego, jovens a trabalhar no país, uma economia mais "robusta". Foi assim que Mário Centeno reabriu o debate sobre o Orçamento do Estado.

"Este números demonstram bem as mudanças que se verificam na nossa economia", afirmou Centeno no discurso de abertura, "e a importância que elas tiveram para a vida de tanto os portugueses".

O ministro das Finanças apresenta este OE como um "orçamento que projeta um país com futuro, longe dos agoiros que nunca provaram ter razão", disse.

"A economia portuguesa está mais robusta, mais resistente aos ciclos dos mercados. Mas também mais justa, porque mais portugueses beneficiam da riqueza criada no país", afirmou Centeno.

No entanto, Centeno avisa que "este trajeto pode ser colocado em causa. O que tanto custou a conquistar pode-se perder mais rapidamente do que levou a conquistar". E por isso é preciso "manter o mesmo sentido de responsabilidade.

Centeno reforçou ainda que "todos os portugueses vão pagar menos IRS por cada euro que ganharam em 2018" e ainda que "nunca houve necessidade de medidas adicionais" ou retificações, "que se vinham tornando uma regra", acusando o executivo anterior de "falta de rigor orçamental" e apelidando o governo PSD/CDS de "paladinos da austeridade".