Sociedade

2017 ficou marcado como um dos mais quentes de sempre

Este ano está apenas abaixo de 2016

O ano de 2017 ficou registado com um dos três anos mais quentes de sempre sem se registar o fenómeno El Niño (fenómeno que afeta as temperaturas, correntes marítimas e a precipitação), ficando acima de 2015 mas abaixo de 2016.

"Os três anos mais recentes são os mais quentes já registados e incluem-se na tendência para o aquecimento a longo prazo do planeta", referiu o secretário-geral da Organização Meteorológica Mundial (OMM), Petteri Taalas.

Desde 2013 a 2017 que estamos perante os cinco anos mais quentes de sempre e este ano ficou marcado por vários acontecimentos climáticos extremos, como os furacões nas Caraíbas e no Atlântico, temperaturas de 50 graus na Ásia e seca na África. “Vários destes fenómenos - os estudos científicos revelarão exatamente quantos - têm a marca do aquecimento global provocado pelas concentrações de gases de efeito estufa libertados pela atividade humana”, referiu Petteri Taalas.

A OMM alertou que esta tendência está a contribuir cada vez mais para o aumento da concentração de gases com efeito de estufa.