Economia

Black Friday. Amanhã é dia de abrir os cordões à bolsa

A tradição norte-americana tem ganho espaço e adeptos no nosso país. Portugueses aproveitam para comprar mais barato e é uma das semanas em que gastam mais dinheiro

Para a maioria das lojas, a próxima sexta-feira, de negra, só terá mesmo o nome. Chamam-lhe Black Friday e, apesar de ser uma tradição norte-americana que permite abrir oficialmente a euforia das compras para a época natalícia, é já um dos maiores fenómenos de compras em Portugal. Filas intermináveis nas lojas, episódios de agressões e caos, muito dinheiro a ser gasto e as compras online a disparar tem sido o retrato do que acontece em Portugal sempre que chega o dia dos superdescontos.

Há descontos de todos os tamanhos e para todos os gostos. Mas não apenas nas lojas. Na internet também se reforçam apostas para este dia e os portes chegam a ser grátis. Falamos de um universo que parece não ter fim: da beleza à moda, passando por hotéis e tecnologia ou até brinquedos.

A provar que os portugueses não podiam estar mais rendidos a esta febre dos descontos, o site de comparação de preços KuantoKusta garante que é neste dia que se regista o pico anual de visitas de consumidores, ansiosos por comparar todas as promoções: “Todos os anos, o KuantoKusta bate recordes de visitas na Black Friday, alcançando, em média, mais de 120 mil acessos só nesse dia. Este crescimento reflete também o aumento da notoriedade da data entre os consumidores portugueses, que cada vez mais aproveitam estas campanhas para fazer compras de valores mais elevados como eletrodomésticos, informática ou telemóveis.”

Ainda assim, Josué Almeida, responsável de marketing do KuantoKusta, explica que há cuidados a ter e alerta para a necessidade de recorrer a meios de comparação de preços. “É importante que as pessoas vejam qual foi a variação do preço de determinado produto nos últimos meses. Há lojas que anunciam promoções, mas aumentam os preços. No final, vai até poder sair mais caro do que ter comprado antes do dia.”

Além de ser importante acompanhar a evolução do preço nos últimos meses, existem ferramentas que podem ajudar na hora de fazer a melhor escolha: “Na nossa plataforma é possível, por exemplo, marcar determinado produto e receber um alerta com a melhor promoção.”

Entre os truques que se devem ter em mente está ainda a importância de fazer uma lista do que se quer comprar, fazer muita pesquisa antes de o fazer, começar as compras logo no início do dia ou comprar apenas nas lojas conhecidas.

Portugueses abrem a bolsa

Os números referentes a este evento não enganam. De acordo com os resultados de 2015, as idas ao multibanco e os pagamentos com cartões totalizaram gastos na ordem dos 1211 milhões de euros naquela que foi considerada a primeira semana de compras de Natal – de 23 a 29 de novembro. Os números da SIBS, a empresa que faz a gestão da rede Multibanco, mostram que o período em que foi gasto mais dinheiro coincidiu com a altura em que foram feitas as promoções da Black Friday. Nas compras feitas com cartões foi onde se sentiu o maior aumento: foram gastos 699 milhões de euros num total de 17,6 milhões de operações, mais 53 milhões de euros do que em igual período de 2014.

Natal convence na hora de comprar 

O estudo mais recente do Observador Cetelem mostra que o número de portugueses que aproveitam os dias de promoções especiais, como a Black Friday, para fazer compras de Natal tem vindo a aumentar. Segundo a análise, mais de um terço dos portugueses vão aproveitar esta sexta-feira para fazer grande parte das compras para esta época festiva. Na raiz desta tendência está a intenção de diminuírem gastos e conseguirem melhores negócios.

De acordo com Pedro Camarinha, diretor de distribuição do Cetelem, “assiste--se a um crescente interesse pelas promoções pré-natalícias. Esta é uma tendência internacional cada vez mais popular e Portugal não foge à regra. Isso é algo que nos parece perfeitamente natural, dada a forte aposta das marcas nos dias de promoções especiais e a boa resposta dos consumidores, que aderem de forma entusiasta às ações. Esta será uma boa oportunidade para fazer compras de Natal sem despender um valor tão elevado, o que vai ao encontro do que temos verificado, ou seja, uma gestão inteligente do orçamento familiar”.

A análise do Observador Cetelem mostra ainda que “os portuenses aproveitam bem mais estas promoções, em comparação com os números verificados em Lisboa. Na Black Friday, 43% dos inquiridos residentes no Porto vão aderir a este dia especial, contra 32% dos inquiridos na capital”. Os dados mostram, aliás, que é no Norte que os consumidores mais aderem a esta tradição norte- -americana: 48%.

Em relação à forma como as promoções são feitas, pode ainda dizer-se que a oferta mais valorizada continua a ser o desconto direto nos produtos, com “50% dos inquiridos no estudo a apontarem nesse sentido, mais 4 pontos percentuais face a 2016”. O número de pessoas disponíveis para pagar a crédito diminuiu.