Cultura

Água Mole foi o grande vencedor dos Caminhos do Cinema Português

Prémio de Melhor Ator foi atribuído a Nuno Lopes, por "São Jorge", e de Melhor Ator Secundário a José Raposo, no mesmo filme de Marco Martins. Por "O Dia Em Que As Cartas Pararam", Ana Bustorff recebeu o prémio de Melhor Atriz.

Água Mole”, de Laura Gonçalves e Alexandra Ramires (Xá) foi o grande vencedor do 23.º Caminhos do Cinema Português, que terminou neste domingo, em Coimbra. A melhor longa de ficção foi "António Um Dois Três", de Leonardo Mouramateus, o melhor documentário foi "Quem É Bárbara Virgínia?", de Luísa Sequeira, a melhor animação, "Última Chamada", de Sara Barbas, e o prémio de melhor curta-metragem foi atribuído a "Humores Artificiais", de Gabriel Abrantes. 

Ainda na Seleção Caminhos, foram distinguidos com menções honrosas "Vou-me Despedir do Rio", de Pedro Cruz (documentário), "Coup de Grâce", de Salomé Lamas (curta-metragem), e "Tocadora", de Joana Imaginário (animação). "António Um Dois Três" foi ainda distinguido com o Prémio do Júri de Imprensa, além do Prémio Revelação atribuído ao ator Mauro Soares.

O prémio Don Quijote/Júri IFSS/FICC foi para "São Jorge", de Marco Martins, filme com o qual Nuno Lopes venceu o prémio de Melhor Ator e José Raposo o de Melhor Ator Secundário. O prémio de Melhor Atriz foi para Ana Bustorff ("O Dia Em Que As Cartas Pararam") e de Melhor Atriz Secundária para Joana Pais de Brito, por "A Mãe É Que Sabe", de Nuno Rocha.

Nas categorias técnicas, os vencedores foram:

Melhor Direção Artística: João C. Martins (JONI), em "Histórias de Alice"

Melhor Fotografia: João Ribeiro (AIP), em "Rosas de Ermera"

Melhor Guarda Roupa: Susana Abreu e Ticiana Passos, em "Histórias de Alice"

Melhor Realizador: Sebastião Salgado, em "Já Passou"

Melhor Caracterização: Márcia Lourenço, em "Coelho Mau"

Melhor Montagem: Helena Inverno, em "Notas de Campo"

Melhor Som: Armanda de Carvalho, António de Sousa Dias, João Ganho e Tiago Matos, em "Luz Obscura"

Melhor Argumento Original: "Tudo O Que Imagino"; Menção Honrosa para "Surpresa"

Melhor Argumento Adaptado: "O Dia Em Que As Cartas Pararam"

Melhor Banda Sonora Original: João Lucas, em "A Gruta de Darwin"

Melhor Comunicação Ivity Brand Corp: "Tudo O Que Imagino"