Sociedade

Francisco Louçã. “Vamo-nos aproximando de um novo colapso financeiro”

O crescimento das finanças sombras leva o mundo a repetir crises económicas e financeiras cada vez mais frequentes

Quando pensamos num poder sombra ou numa finança sombra, vêm-nos à ideia procedimentos esconsos feitos por criminosos a lavar dinheiro do crime. Na realidade, a finança e a economia sombra não são isso, são as operações financeiras que estão completamente fora do controlo dos Estados e das instituições internacionais. Essas transações estão no centro do sistema financeiro e estão intimamente ligadas aos vários poderes políticos. “Sombras” é o novo livro de Francisco Louçã e do economista americano Michael Ash sobre esta situação. 

Em 1929, a solução que foi encontrada para a enorme crise foi uma solução keynesiana, que contrariava radicalmente as políticas económicas que vinham sendo seguidas. Durante a crise atual, começada em 2007, a solução que se encontrou foi a continuação das políticas anteriores. Qual a razão desta insistência?

Na verdade, a solução keynesiana dos anos 30 é mais moderada do que a lenda descreve, porque foi um chamado keynesianismo militar que acabou por dominar. Onde houve uma expansão keynesiana foi durante o segundo programa do New Deal do Roosevelt [Franklin Delano Roosevelt, que foi presidente dos EUA de 1933-1945 e adotou as políticas do chamado New Deal, um conjunto de programas para combater a Grande Depressão], com grau de investimento relativamente pequeno, mas que teve um efeito de recuperar o conjunto da economia e fazer uma rutura com a doutrina neoliberal, advogada pelo anterior presidente Herbert Hoover, que defendia a ideia de que o mercado resolveria a crise, quando acabou a ser o Estado que a resolveu. Na crise do subprime de 2007-2008, a primeira resposta foi uma resposta de expansão orçamental; foram nesse sentido as primeiras medidas tomadas pelo União Europeia, mas que tiveram uma inversão relativamente rápida.

Inicialmente esteve mesmo em cima da mesa, com o acordo da Alemanha, a renegociação da dívida da Grécia.

Exatamente. No primeiro encontro entre Hollande e Merkel depois da crise, o que está em cima da mesa é a expansão orçamental e a reestruturação da dívida grega. Veja-se o caso da expansão orçamental, em Portugal, em 2009, mas depois o BCE decide subir as taxas de juro e começam as políticas de austeridade. O que mudou substancialmente é que o setor financeiro é agora muito mais poderoso e amplo, com muito mais relações com o setor político, que em 1929-1930. É claro que já havia há muito tempo ligações entre o sistema financeiro e político, nomeadamente nos EUA e no Reino Unido, mas entre a Grande Depressão e a atual crise, o sistema financeiro ganhou uma autonomia muito maior, porque passou a ter liberdade de circulação de capitais. Vinte e cinco anos antes da crise de 2007-2008 já tinha ganho uma enorme independência em relação à capacidade de controlo público. 

Aquilo que levou Keynes a afirmar a um dos seus discípulos, numa polémica registada no seu livro, que queria controlar o capital totalmente, hoje era totalmente impossível?

A posição de Keynes é que não era possível haver política de gestão orçamental e de gestão da política pública sem um controlo sobre as taxas de juro: se há movimentos livres de circulação de capitais, nunca há controlo das taxas de juro; portanto, o Estado desaparece como poder autónomo a partir do momento em que deixa de influenciar as taxas de juro. E tem razão, toda a construção do capitalismo moderno foi feito com o controlo dos Estados sobre as condições de acumulação de capital. A partir de Margaret Thatcher e de Ronald Reagan que a liberalização dos movimentos de capitais começou a ser consagrada em tratados, na prática, e inscrita nas relações económicas. É isso que derrota o esforço do governo de François Mitterrand em 1982--83. Tendemos a esquecer-nos de que ele nacionalizou todos os bancos franceses, todas as companhias francesas e os sete maiores grupos industriais – uma política geral de nacionalização que colapsou imediatamente porque, havendo circulação de capitais, o franco foi atacado e ele deixou de ter capacidade de impedir a fuga de capitais. 

Leia a entrevista completa na edição de fim-de-semana do i. Já nas bancas