Sociedade

Ambiente. Matos Fernandes diz que Portugal está na linha da frente quanto às alterações climáticas

"Portugal, no contexto da União Europeia certamente, está aqui a assumir um papel de 'front runner', alguém que corre à frente, ao dizer que em 2050 vamos ser neutros do ponto de vista das emissões de gases carbónicos", disse hoje o ministro do Ambiente

João Matos Fernandes está na cimeira de chefes de Estado e ministros "One Planet Summit", que está a decorrer na capital francesa. O ministro do Ambiente notou que "Portugal é um país que sofre bastante - já hoje - das alterações climáticas" e que tem "muito boas experiências para contar". Na cimeira, o ministro mostrou um filme para ilustrar o que a Lisboa tem vindo a fazer na luta contra as alterações climáticas.

Matos Fernandes assinalou também que Portugal é, entre os países da União Europeia, um dos "que tem uma maior quota de energia elétrica produzida a partir de energias renováveis". Está, além disso, "a investir cerca de 200 milhões de euros para reforçar a resiliência do litoral", ao mesmo tempo que "as frotas das empresas de transportes coletivos de Lisboa e do Porto estão a ser substituídas - mais ou menos metade - para autocarros de elevadíssima performance ambiental".

O ministro acrescentou ainda que Portugal vai apresentar os resultados do trabalho desenvolvido relativamente às emissões de gases com efeito de estufa já em 2020, uma vez que "o somatório dos resultados de Paris" não é suficiente para chegar a uma das metas da Cimeira do Clima de Paris de 2015 (COP 21): conseguir que a temperatura não aumente mais do que 1,5 ou, no máximo, 2 graus.

Contudo, o ministro mostrou-se otimista. "Quero acreditar que da maneira como estamos a andar depressa, muito mais depressa se calhar do que aquilo que a opinião pública imagina, eu acredito que o somatório das contribuições de 2020 já nos vai pôr onde queremos".