Economia

Autoeuropa. Nova greve aprovada para dias 2 e 3 de fevereiro

Para que a paralisação se concretize é necessário que seja convocada pelos sindicatos, como o Site-Sul, que foi o rosto da última greve

Os trabalhadores da Autoeuropa aprovaram, no plenário realizado na quarta-feira, uma proposta para uma greve de dois dias, a 2 e 3 de fevereiro, altura em que já terá entrado em vigor os novos horários de trabalho, caso a administração da fábrica de Palmela não tenha recuado nas suas intenções. No entanto, para que a paralisação se concretize é necessário que seja convocada pelos sindicatos, como o Site-Sul, que foi o rosto da última greve.

“Eles [a administração da Autoeuropa] assistiram a todos os plenários, perceberam bem qual foi o feedback dos trabalhadores. É bom que reflitam sobre aquilo que se está a passar e é bom que tomem uma posição diferente da que estão a tomar agora”, referiu o presidente da Comissão de Trabalhadores (CT), Fernando Gonçalves, alertando ainda para a existência de um “sentimento de revolta” dos trabalhadores, “devido a um acumular de situações ao longo dos últimos anos”.

O responsável disse ainda que, neste encontro, foi apresentado aos trabalhadores um caderno reivindicativo que será, posteriormente, apresentado à administração da Autoeuropa. Ainda assim, admitiu que “ainda não é um documento fechado” porque vai ser submetido a discussão durante o mês de janeiro.

Tal como i avançou ontem, a existência de uma creche a funcionar 24 horas por dia é uma das soluções encontradas pela Comissão de Trabalhadores para minimizar as alterações dos novos horários de trabalho, especialmente quando a fábrica de Palmela começar a funcionar de forma contínua, ou seja, a partir de agosto. Esta proposta foi apresentada pela CT no plenário realizado ontem para “defender as necessidades dos trabalhadores”.

Em cima da mesa está também a proposta de aumentos salariais de 6,5% com retroativos a outubro até ao final de setembro de 2018, prémios por objetivos, progressão nas carreiras, seguro de saúde, apoio escolar, assim como o compromisso por parte da administração de não levar a cabo despedimentos coletivos até 2019.

Nova ronda de negociações

O próximo encontro com a administração está marcado para dia 5 de janeiro, uma vez que, nos próximos dias, a fábrica de Palmela vai estar parada por falta de peças. No entanto, o responsável da Comissão de Trabalhadores referiu que, na reunião da passada segunda-feira, a administração lhes transmitiu que não havia nada para negociar.

“Depois da reunião da passada sexta-feira com o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, o que ficou combinado foi que retomaríamos as negociações na segunda-feira, o que aconteceu. Mas quando chegámos a essa reunião, o que nos foi comunicado pela administração foi que não havia nada para decidir, que iam impor o horário anunciado”, referiu

O novo horário a vigorar até agosto, entra em vigor a 29 de de janeiro com 17 turnos semanais, e prevê o pagamento dos sábados a 100%, equivalente ao pagamento como trabalho extraordinário, acrescidos de mais 25%, caso sejam cumpridos os objetivos de produção trimestrais.