Desporto

Inglaterra. Thank god it’s christmas!

Para os ingleses a semana do Natal é semana de futebol. O Arsenal-Liverpool chegou a estar marcado para dia 24 às 19 horas...

Em Portugal existe uma frase extraordinária bem reveladora de uma idiossincrasia muito peculiar: «Mete-se o Natal...».
Por se meter oNatal, tudo se adia, desde o remendo de um cano a uma cranioplastia. «Está a ver? Agora não dá muito jeito... Mete-se o Natal. O melhor é deixarmos para janeiro...».

E isto aplica-se também ao futebol: mete-se o Natal e chuta-se o campeonato para o ano seguinte, ficamo-nos por umas insossas jornadas da Taça da Liga não vá a bola atrapalhar a fritura das rabanadas.

Em Inglaterra, pelo contrário.

Os ingleses gostam de meter futebol no Natal e ninguém pode criticá-los por isso. Também têm uma expressão reveladora de uma idiossincrasia muito particular: «O futebol é um jogo de inverno!».

Não há chuva nem neve que os assuste. Nem lama, certamente, pois a glorious mud é parte integrante dessa terra na qual reina Isabel, a segunda do nome.

Basta dar uma vista de olhos pelo calendário do futebol inglês para a semana que se segue e perceber o que aqui se escreve.

O ‘Boxing Day’ é uma instituição. Dia mágico do jogo: 26 de dezembro. Dia das caixas, porque era o dia em que os empregados da grande burguesia tinham folga para visitar as famílias, levando em caixas os restos da véspera da ceia dos patrões. Dia de futebol porque esse é um desporto profundamente popular e as tais folgas permitiam aos plebeus instalarem-se em redor dos relvados, muitos deles praticamente arrasados pelas intempéries.

Não admira que, do alto da sua vaidade, os ingleses repitam para si próprios e para o mundo que os quer ouvir: «A Terra é um planeta no qual existe a Inglaterra!».

50 anos mais tarde

Houve tempos em que o dia 25 de dezembro foi também dia de futebol. Num interessantíssimo artigo publicado no Telegraph, Jim White recorda que já lá vão mais de 50 anos sobre essa tradição caída em desuso. Bloomfield Road, dia 25 de dezembro de 1965: Blackpool, 4 – Blackburn Rovers, 2. Foi este o último jogo do campeonato inglês a ser disputado num dia de Natal.

Glyn James era um dos defesas do Blackpool: «Confesso que não tenho grande memória disso. Foi um jogo como qualquer outro. Vou perguntar à minha mulher... Well... No, she says she didn’t go to watch. She says she was too busy at home making my bloody Christmas dinner».

O humor inglês também tem as suas particularidades.

Mas já que se mete o Natal, voltemos aos jogos no dia de Natal.

Diga-se que o hábito de jogar a 25 foi alimentado sobretudo na região de Lancashire, ali um pouco a norte de Manchester e Liverpool. Por um motivo muito óbvio: era dia de folga para os funcionários dos autocarros e dos caminhos de ferro.
Derek Jones, que escreveu a história do Blackburn, deixou como testemunho: «Não havia nem autocarros nem elétricos. As pessoas iam a pé para o estádio. Uma multidão de gente caminhando e conversando. O Blackpool-Blackburn era geralmente jogado nesse dia. E houve tempos em que se fazia outro encontro entre ambos logo do dia seguinte, assim uma espécie de segunda mão. Os jogadores queixavam-se de que ficavam privados das suas cervejas natalícias. Mas os clubes aproveitavam para fazer um dinheiro extra porque os estádios rompiam pelas costuras».

Graham Oates, avançado do Blackpool, recorda: «Havia um ritual curioso. Os adeptos levavam os bolsos cheios de cascas de tangerina e atiravam-nas aos jogadores quando estes entravam em campo. Era um dia duro porque perdíamos o Natal. Nesse tempo não era como hoje em dia que se comemora o Natal de outubro até janeiro. Depois do confronto do Boxing Day saíamos juntos para comemorar um pouco. Mas bastante pouco. Três dias depois já estávamos em campo outra vez. E 1 de janeiro também era um dia habitual de jogos».

Com o passar dos anos, até os clubes do Lancashire abandonaram a peregrina ideia de jogarem no dia 25 de dezembro. O que não impede que os jogos se multipliquem durante a semana das festividades. Para um povo que gosta de futebol como espetáculo e divertimento, longe das tranquibérnias tão banais do futebolzinho português – até faz jeito, se calhar, esta trégua natalícia – nada como aproveitar umas tardes livres para encher estádios e fazer abanar estruturas com cânticos afinados de gargantas roucas.

Esta época, o jogo entre Arsenal e Liverpool chegou a estar marcado para dia 24 pelas 19 horas. A FederaçãoInglesa estabeleceu, entretanto, que na véspera de Natal nenhum jogo se desenrolasse após as 16 horas. Antecipou-se, portanto: para ontem.

No resto da semana há muito por onde escolher.