Défice

Montepio baixa previsão para 1,2%

O Montepio baixou para 1,2% a estimativa do défice para este ano e alinhou a projeção para o próximo com a do Executivo a 1,1%. 

O departamento de estudos do banco revela que reviu em baixa a previsão para o défice de 2017, de 1,4% para 1,2% do PIB, adiantando que “não coloca de parte a possibilidade de o défice poder ficar ainda abaixo deste valor” e considerando as novas previsões do Governo “bastante realistas”.

Em relatório divulgado esta terça-feira, os economistas do Montepio, justificam esta revisão em baixa da previsão do défice com as “indicações positivas dadas pelos números da Direção-Geral de Orçamento (DGO) na ótica da contabilidade pública, já disponíveis até ao mês de outubro”.

O documento, citado pela agência Lusa, justifica ainda a previsão com os dados, em contabilidade nacional, de um défice de 0,3% do PIB até ao terceiro trimestre, divulgado na semana passada pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

“Centrando-se essencialmente na informação sobre as administrações públicas, o respetivo défice registou, como referido, uma diminuição de 1,2 pontos percentuais no ano terminado no terceiro trimestre, relativamente ao trimestre anterior, atingindo 0,1% do PIB”, afirmam os analistas.

Os valores, acrescentam, representam “o défice mais baixo desta série do INE (iniciada em 1999) e, de resto, de toda a história democrática de Portugal (o anterior saldo mais elevado observou-se, de acordo com séries anuais mais longas, em 1973, quando se observou um excedente de 1.7% do PIB)”.

O Montepio aponta ainda que o saldo orçamental do terceiro trimestre foi de 1256,1 milhões de euros, valor que corresponde a 2,6% do PIB, “o maior saldo da atual série do INE, sendo que, quando comparado” com o mesmo trimestre de 2016, “representa uma melhoria de saldo de 4,7%”.

Para o banco, e atendendo aos dados agora divulgados pelo INE, esta é uma estimativa “bastante realista”. O Montepio reviu em baixa também a estimativa para o défice de 2018: de 1,2% para 1,1%, alinhando-a, assim, com a do Executivo, que estima que, com as medidas para resposta, prevenção e combate aos incêndios, deverá ser 1,1%.