Internacional

Suécia. O estranho caso das crianças refugiadas que ficam em ‘coma’

Para já as teorias vão aparecendo, mas ainda não há consenso.

As crianças refugiadas estão a entrar num estado de apatia profundo que se assemelha a um coma, depois de os seus pedidos de asilo serem rejeitados. Segundo noticiou o  El País, os médicos não conseguem explicar estes casos estranhos que se têm registado na Suécia.

Os cientistas chamam a esta condição Síndrome de Resignação. Göran Bodegård, diretor da psiquiatria infantil no hospital universitário Karolinska, Estocolmo, escreveu um artigo onde afirma que os pacientes ficam “totalmente passivos, imóveis, sem reação, retraídos, mudos, incapazes de comer e de beber, incontinentes e sem reação perante os estímulos físicos ou de dor”.

Segundo o jornal espanhol, o primeiro caso de Síndrome de Resignação foi registado em 1998, mas só agora é que foi tornado público.

Normalmente quem sofre com esta patologia são crianças e adolescentes refugiados provenientes dos países soviéticos e que não sofrem de problemas físicos ou psicológicos. Os sintomas apenas surgem quando descobrem que o seu visto foi negado.

Só entre 2015 e 2016, na Suécia foram registados 169 casos.