Politica

Nova composição do Parlamento Europeu aprovada sem listas transnacionais

A proposta de Pedro Silva Pereira prevê a redistribuição de alguns dos lugares deixados vagos pelo Reino Unido e deixa de fora a criação do círculo eleitoral único

O Parlamento Europeu aprovou esta quarta-feira a proposta de distribuição dos deputados europeus pelos países membros na sequência do Brexit. A proposta que foi redigida pelo português Pedro Silva Pereira e pela eurodeputada polaca Danuta Maria Hübner divide os 73 lugares deixados pelo Reino Unido em dois grupos, um conjunto de 27 lugares que serão distribuídos por alguns estados-membros para compensar a representatividade e outro de 46 lugares que ficarão vagos para a possibilidade de eventuais alargamentos da União Europeia.

Segundo a proposta, França e Espanha irão receber cinco deputados, Itália e Roménia três, Irlanda dois e Polónia, Roménia, Suécia, Áustria, Dinamarca, Eslováquia, Finlândia, Croácia e Estónia acrescentarão um eurodeputado nas próximas eleições europeias. Portugal irá manter os atuais 21 deputados.

A proposta tem sido bastante polémica por incluir a possibilidade da criação de listas transnacionais, ou seja listas criadas pelas famílias partidárias europeias com deputados de pelo menos 14 países. No entanto essa parte da proposta foi rejeitada pelo hemiciclo europeu.

Depois de aprovada, o relatório será agora discutido a 23 de fevereiro no Conselho Europeu onde necessita de uma decisão unânime.