Desporto

Seleção nacional. Com o troféu histórico na bagagem!

Foi entre muita festa e emoção que os novos campeões da Europa em Futsal aterraram este domingo no Aeroporto Humberto Delgado. O i foi acompanhar a chegada da Seleção Nacional que, na mala, trouxe o primeiro título da competição. As comparações com a conquista do Europeu de futebol foram o principal tema de conversa entre 
os presentes quando não se entoavam os cânticos vitoriosos e o hino nacional

Jornal i Largas centenas de pessoas esperaram pela chegada dos novos heróis nacionais
Jornal i O orgulho português na chegada da Seleção
Jornal i A Taça inédita mostrada pelos comandados de Jorge Braz
Jornal i Os portugueses foram vestidos a rigor para o Aeroporto de Lisboa

Domingo, 13 horas, Aeroporto de Lisboa: Nem a chuva miudinha que foi caindo foi motivo suficiente para mudar o destino de centenas e centenas de portugueses que tinham como único objetivo receber os novos heróis nacionais. A chegada da Seleção nacional de futsal à capital portuguesa estava prevista para as 13h20m, mas ainda estava longe o relógio dessa hora quando a festa se fazia sentir, num prolongamento da celebração iniciada no sábado após a histórica vitória da equipa das Quinas ante a toda-poderosa seleção vizinha. Com muitos adeptos vestidos a rigor e de bandeira ao alto, cantou-se o hino, gritou-se por Portugal, além da obrigatória e tradicional canção do triunfo. ‘Campeões! Campeões! Nós somos campeões’. Pela primeira vez, campeões. No topo da Europa. Já passa das 14h quando se começa a perceber o típico burburinho que faz avisar que chegou o momento. Telemóveis ao alto, camâras em disparo automático, a gravar. Ricardinho, melhor jogador e marcador do Campeonato da Europa, é o comandante das tropas, como bom capitão. No colo a desejada Taça que, chegado ao pé dos portugueses, levanta ao alto como um sinal que quer dizer que é de todos nós. “Partimos de Rio Maior para a Eslovénia para fazer história. Tinhamos um sonho, esse sonho tornou-se realidade. Dia 10 vai ficar para a história. O futsal conseguiu tocar o céu. Estamos muito orgulhosos. Começámos lá debaixo e hoje somos os senhores do futsal”, referiu já no Palácio de Belém.

‘Tinha dito ao Ricardinho que íamos ser campeões’ “O que fizemos pelo futsal é histórico”, lembra Ricardinho com o troféu aos seus pés. “Vamos continuar a crescer, mas acima de tudo vamos continuar a manter-nos no topo. Nem sempre vamos ganhar, mas vamos continuar a andar lá em cima nas decisões, e a dignificar muito o futsal”, garantiu o Mágico que, como a própria alcunha indica, não pensou na lesão contraída no pé por um segundo tendo feito apenas em saltos o percurso  até ao autocarro da equipa. A comparação da lesão de Ricardinho à de Cristiano Ronaldo, ambas nos jogos derradeiros de Campeonatos da Europa de Futsal e Futebol, respetivemente foi, aliás, um dos temas mais comentados pelos presentes enquanto se aguardava. Há ainda quem lembre outro pormenor: “Ambos os encontros foram disputados no dia 10”, “tinha tudo para dar certo”. Afinal, só ficava a faltar conhcer o novo Éder, este muito mais improvável. As apostas estavam depositadas em Tunha, mas foi da cartola de Bruno Coelho que a história ficou escrita. A um minuto do fim da partida, a chance de ficar eterno chegou por um livre direto juntamente com o apoio e a pressão de 11 milhões. Ontem, no Aeroporto Humberto Delgado, Coelho revelou: “Estava confiante, até tinha dito ao Ricardinho: ‘fica descansado que eu faço’. Vamos ser campeões da Europa’”. E foram. Uma promessa que, além do ala,  havia sido feita pelo selecionador Jorge Braz, num momento inicial do torneio que terminou este sábado na Eslovénia. O orientador que renovou até 2022 com a FPF na passada sexta-feira já pensa no futuro: “Vamos preparar-nos agora para mais um desafio que culminará em outubro com o Campeonato do Mundo, onde Portugal, como campeão da Europa, se apresentará como forte candidato”.   

Do aeroporto para Belém Após a recepção eufórica do público português, os comandados de Jorge Braz seguiram para o Palácio de Belém, onde foram homenageados por Marcelo Rebelo de Sousa. “Quero dar-vos um abraço de reconhecimento, admiração e gratidão”, afirmou o Presidente da República. No discurso, Marcelo lembrou a importância dos títulos desportivos para a “auto-estima” do país, bem como a relevância das conquistas nos períodos mais difíceis. “Não imaginam o que este título fez, e faz, de bom à nossa auto-estima, agora que saímos de um período complicado”, sublinhou o chefe de Estado, num momento em que salientou o facto de “estar perante os melhores dos melhores”. “Vocês são os melhores dos melhores e daí a nossa gratidão. Mandei uma mensagem ao vosso presidente a dizer que vocês são geniais”, revelou. 

Histórico. Arrepiante. O primeiro. De muitos. Com toda a certeza.