LifeStyle

Investigadores revertem Alzheimer em estudo realizado em ratos

Um estudo recentemente feito conseguiu eliminar, em parte, uma enzima chamada BACE1, revertendo desta forma a formação de placas amiloide, que constituem um sinal da doença de Alzheimer. Estudo apenas foi testado em ratos, mas pode dar uma nova esperança para a cura desta doença.
 

A eliminação gradual desta enzima – a BACE1 - “reverte totalmente a formação de placas amilóide” no cérebro de ratos com esta doença, algo que “traz uma esperança” de que os remédios que contenham esta enzima possam tratar, com sucesso, a doença nos humanos.

Vários investigadores do estudo, nomeadamente do hospital universitário Cleveland Clinic, nos EUA, garantiram que a descoberta, além de reverter a formação das placas, pode ainda ajudar a “melhorar a função cognitiva do animal”. O estudo foi esta quarta-feira publicado no Journal of Experimental Medicine.

Segundo o estudo e várias explicações médicas, a acumulação anormal do peptídeo beta-amilóide, pode gerar grandes placas amilóides no cérebro e atrapalhar a função das sinapses neuronais. Desta forma, a BACE1 ajuda a produzir o peptídeo beta-amilóide e, por isso, são desenvolvidos remédios que inibem essa mesma enzima como tratamento potencial do Alzheimer.

No entanto, a enzima também funções necessárias ao bom funcionamento do cérebro.

A equipa responsável pelo estudo, liderada por Riqiang Yan, criou ratos que perdiam gradualmente a enzima, conforme iam envelhecendo, que se desenvolveram com normalidade e, aparentemente, permaneciam saudáveis com o passar do tempo. Esses mesmos ratos foram cruzados com outros que começavam a desenvolver as tais placas aos 75 dias de vida.

“Esta é a primeira observação de uma inversão tão drástica dos depósitos de amilóide, em qualquer estudo jamais feito da doença de Alzheimer em ratos”, afirmou Riqiang Yan.

A redução da atividade da BACE1 também representou um nível mais baixo do peptídeo beta-amiloide e “reverteu outras caraterísticas da doença de Alzheimer, tais como a ativação dos microgliócitos (células ligadas à formação de neurónios) e a formação de processos neuronais anómalos”, referiu o cientista.

Veja aqui o estudo