Sociedade

Sindicato dos Jornalistas reage a declarações “antidemocráticas” de Bruno de Carvalho

O Presidente do Sporting pediu, durante a Assembleia Geral, boicote às televisões e jornais portugueses. O Sindicato dos Jornalistas (SJ) já reagiu. 

“As palavras proferidas pelo presidente do Sporting representam uma tentativa de limitar a liberdade de imprensa e de condicionar o trabalho dos jornalistas.”, começa por dizer a nota publicada no site do Sindicato dos Jornalistas, referindo ainda que as declarações feitas por Bruno de Carvalho contra os jornalistas têm um teor “antidemocrático” e insiste que a comunicação social adote uma resposta coletiva.

Bruno de Carvalho pediu aos adeptos que deixassem de comprar jornais e de ver canais de televisão portuguesa e, após estas declarações feitas durante a Assembleia Geral do Sporting, vários jornalistas foram ameaçados e agredidos por sportinguistas.

“Não é a primeira vez que Bruno de Carvalho revela não conviver bem com a comunicação social e, consequentemente, com a liberdade de imprensa, pilar fundamental de uma democracia. 

Num país onde o futebol tem uma presença relevante e constante, os dirigentes desportivos têm uma grande responsabilidade em garantir que o desporto contribui para o bem-estar social e não alimenta climas de ódio e perseguição.”, pode ler-se na mesma nota.

Por todas estas razões, o SJ irá avaliar judicialmente o teor das declarações do dirigente do Sporting, que se revelaram “impróprias de um cidadão de um país democrático”. Além disso, o mesmo sindicato vai pedir reuniões com as principais forças de segurança, de forma a que seja totalmente assegurada a proteção dos jornalistas.

O SJ considera ainda que as palavras de Bruno de Carvalho podem ter um grande impacto, representando “uma tentativa de limitar a liberdade de imprensa e de condicionar o trabalho dos jornalistas.”