Internacional

Tanques e aviões israelitas atacam a Faixa de Gaza

Retaliação em força depois de ataque contra soldados

Uma bomba de fabrico artesanal que explodiu e feriu quatro soldados israelitas mereceu de Israel uma retaliação em força, com tanques e aviões que bombardearam a Faixa de Gaza, numa das maiores escaladas de violência na região desde a guerra de 2014.

O governo do território palestiniano informou a imprensa internacional que dois jovens de 17 anos foram mortos no sábado à noite por disparos de um tanque. Fotografias do que aparentam ser dois corpos em macas foram divulgadas.

O governo israelita, em comunicado, afirmou que a operação militar visou “oito alvos” num “complexo militar perto de Deir el-Balah que pertence à organização terrorista Hamas, incluindo uma fábrica de armas e instalações de treino”. O exército israelita garantiu que um túnel usado pelos palestinianos foi também atingido nos bombardeamentos.

Os quatro soldados israelitas ficaram feridos no sábado à noite, dois deles em estado grave, no rebentamento de um engenho explosivo colocado junto a um posto de controlo israelita durante uma manifestação, na sexta-feira - isto segundo o porta-voz das Forças de Defesa de Israel, o tenente-coronel Jonathan Conricus. A bomba artesanal estava presa a uma bandeira e explodiu quando os soldados tentaram retirá-la.

Apesar de nenhuma organização ter até ontem reivindicado a autoria da explosão, Israel aponta o dedo ao Hamas, grupo palestiniano que controla a Faixa de Gaza, isolada do resto do território palestiniano.

De acordo com a imprensa israelita, um rocket disparado da Faixa de Gaza atingiu, também no sábado, uma casa na comunidade de Sha’ar Hanegev, sem causar vítimas.