Economia

Ryanair acusa ANA de criar monopólio em Lisboa

A companhia aérea exigiu ao governo que avance com a infraestrutura complementar do Montijo em 2019.

A companhia aérea Ryanair acusou a Ana - Aeroportos de Portugal de criar um monopólio no Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, e exigiu ao governo que avance com a infraestrutura complementar do Montijo em 2019.

"A ANA não vai fazer nada sobre a Portela (Aeroporto Humberto Delgado). A ANA quer sentar-se e continuar a aumentar as tarifas na Portela e no Porto. É um monopólio e é isso que os monopolistas fazem. O que queremos é que o Governo português diga à ANA para abrir o aeroporto complementar no Montijo em 2019", afirmou, em declarações à agência Lusa, o diretor executivo da Ryanair, Michael O'Leary.

A transportadora aérea defende ainda que é necessário estimular a competição entre a Portela e o Montijo, convidando diferentes operadores de aeroportos na Europa a apostar no Montijo.

O diretor executivo, Michael O’Leary, pediu ao Executivo que não deixe que a ANA controle a concorrência, uma vez que, há outros gestores aeroportuários interessados em administrar o aeroporto do Montijo.

Na opinião do responsável, esta seria uma boa solução, uma vez que tornaria possível baixar as tarifas no Aeroporto de Lisboa e permitiria mais crescimento na infraestrutura complementar do Montijo. O método usado até agora, no seu entender, não é o mais adequado, porque se trata de um “monopólio da Portela”, que está a travar o avanço do aeroporto complementar.

Ainda assim, a Ryanair recusa mudar-se para o futuro aeroporto do Montijo, afirmando que, assim, a infraestrutura serviria para “pôr lá todo o crescimento” que não tem lugar no Aeroporto Humberto Delgado.

"Não podemos crescer na Portela porque o aeroporto está sempre a dizer-nos que não temos sítio para pôr as aeronaves (...) porque o terminal está cheio. O terminal não está cheio, nalgumas horas até está vazio", disse Michael O’Leary, em declarações à agência Lusa.