Sociedade

Carreiras avança com proposta revolucionária nos transportes

Social-democrata quer passe único metropolitano e transportes públicos rodoviários (TPR) tendencialmente gratuitos em Cascais

O presidente da Câmara de Cascais apresentou ontem em reunião plenária com os funcionários da autarquia um conjunto de propostas revolucionárias para o setor dos transportes públicos. Carreiras quer os transportes públicos no concelho e na área metropolitana de Lisboa tendencialmente gratuitos.

Em Cascais, avança já. Na Grande Lisboa, o social-democrata anunciou que vai fazer a proposta de um passe único metropolitano (para todos os transportes) na reunião que vai ter com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, com o primeiro-ministro, António Costa, e com os presidentes das Câmaras de Lisboa, Fernando Medina, e do Porto, Rui Moreira. Foi o próprio Carlos Carreiras que anunciou a reunião, agendada para 20 de março, no encontro que juntou todos os cerca de 400 funcionários da Câmara de Cascais, esta terça-feira, no Centro de Congressos do Estoril. 

A ideia é que tal passe único - que inclui autocarros, metro, comboio e barco - tenha o preço fixo na ordem dos 30 euros.

“O lançamento do concurso de Transportes Públicos Rodoviários (TPR) terá de estar concluído e em funcionamento em até dezembro de 2019. Posso dizer que nunca tivemos uma perspetiva de fazê-lo de forma isolada, ou seja, pormos Cascais como uma ilha ,como fomos acusados. Tinhamos era a noção de que se não tomassemos esta decisão tudo teria ficado na mesma e estaríamos exatamente iguais, ou até pior, ao que estavamos quando assumimos esta decisão de nos constituírmos como autoridade municipal de transportes”, afirmou Carreiras.

“Neste plano da mobilidade começamos a falar de uma coisa que todos diziam que éramos loucos e que não era possível, mas que agora já todos dizem ser possível - que o modelo que estamos a desenvolver [transporte público rodoviário nas fronteiras de Cascais e dentro do concelho] irá promover que seja tendencialmente gratuíto”, assegurou. 

Câmaras em sintonia Durante o seu discurso, Carreiras abordou ainda a atual sintonia política entre a Câmara de Lisboa, entregue ao PS, e a de Cascais, um fator que considera essencial para levar a proposta a bom porto. “Neste momento estamos sintonizados politicamente e também do ponto de vista técnico. De facto, quando se fala no BRT na A5 [corredor dedicado a autocarros], não quer dizer que tenhamos desistido da linha de comboio. Quer eu quer o Fernando Medina continuamos a insistir na linha de comboios, mas precisamos de ter alternativas que possam funcionar e servir para a coesão territorial e social”, adiantou Carreiras.

 “Se queremos apostar, de facto, no transporte público e não individual, se queremos apostar na geração e democratização de oportunidades, se queremos apostar em meios que sejam mais amigos do ambiente, ou menos agressores do ambiente, temos de fazer estes saltos completamente disruptivos”, disse.