Economia

Feira de viagens arranca em ano de recordes

Operadoras e cadeias hoteleiras aproveitam a BTL para lançar viagens e estadias a preço especial, numa altura em que o setor em Portugal vive  crescimentos recordistas.

A Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL) abre este fim de semana as portas ao público – foi inaugurada na quarta mas, tal como aconteceu em edições anteriores, destinou-se apenas a profissionais. Este é um dos eventos mais aguardados pelos portugueses, em que operadoras, agências de viagens e cadeias hoteleiras aproveitam para lançar viagens e pacotes de férias a preços de saldo.

O maior evento do setor ocorre numa altura em que o turismo em Portugal continua a bater recordes e com esta atividade a afirmar-se como um dos principais motores da economia portuguesa. Os dados falam por si: só no ano passado, as receitas com a atividade turística dispararam 16,6%, crescimento que se traduziu em 3,39 mil milhões de euros.

Ao todo, os estabelecimentos hoteleiros receberam 20,6 milhões de hóspedes em 2017, o equivalente a 57,5 milhões de dormidas. A verdade é que esta tendência de crescimento tem vindo a aumentar ao longo dos últimos anos e os agentes pretendem manter este ritmo. Portugal já tem um plano definido até 2027: atingir receitas turísticas de 26 mil milhões e 80 milhões de dormidas. 

A Associação da Hotelaria de Portugal (AHP) já veio revelar que, no ano passado, os hotéis registaram uma taxa de ocupação média de 71%, um «resultado histórico» que foi acompanhado pelo aumento dos preços, naquele que foi «o melhor ano de sempre nos indicadores operacionais» para a hotelaria nacional, revelou durante a BTL.

Segundo os dados da associação, o preço médio praticado pelos hotéis subiu para 88 euros, o que traduz um crescimento de 10% face a 2016. Lisboa registou o preço médio mais elevado, de 107 euros, o que corresponde a um aumento de 14%. Já no Algarve, o preço médio fixou-se nos 100 euros, mais 8% do que em 2016.

Oferta a preços de saldo

Por ser a maior feira de turismo do país, a BTL aposta em vários desafios e propostas. Para os profissionais do setor representa uma oportunidade para encontrar compradores empresariais, para conhecer a concorrência, para analisar a tendência dos mercados e posicionar a sua oferta de uma forma inovadora e competitiva. Já para o público, constitui a oportunidade de conhecer novos destinos e soluções, de comparar propostas e comprar a preços altamente competitivos.
Por isso, é natural que encontre as mais variadas agências de viagens a oferecerem descontos especiais, prometendo ‘férias ao melhor preço’. É o caso de cadeias hoteleiras como o Grupo Vila Galé, que vai oferecer descontos que podem chegar aos 50%. Também o grupo NAU Hotels & Resorts vai aproveitar a BTL para promover estadias com descontos. A campanha varia entre 15% e 20% de desconto, consoante a unidade escolhida.

O destino nacional convidado deste ano é a região Centro, para recuperar do «período difícil» dos incêndios do ano passado. Para «curar as feridas», diz Pedro Machado, presidente do Turismo do Centro, a aposta será feita num turismo ligado ao património e à cultura, bem como no turismo religioso.

Já o destino internacional convidado é Marrocos, depois de o país ter registado um maior interesse dos turistas portugueses que, em 2017, atingiram os 87 mil visitantes (um aumento de 26%). Mas o evento conta com a participação de outros destinos internacionais, num total de 39. Angola é um desses países presentes e está representada por dois stands, o do Instituto de Fomento do Turismo (Infotur) e outro do Ministério do Ambiente. A ideia é chamar a atenção dos potenciais investidores e operadores turísticos de forma a interessarem-se pelo país. São esperados na BTLcerca de 77 mil visitantes.