Sociedade

Fizz. Vicente quer processo em Luanda e Armindo testemunhas em Lisboa

O ex-vice-presidente angolano volta insistir no envio do processo que o visa para Angola, considerando que de outro modo tudo ficará, como já está, num impasse. O seu homem de confiança, que está a ser julgado em Portugal, quer que duas testemunhas venham de Angola a Lisboa. 

DR  

Manuel Vicente diz que desde que foi determinada a separação processual no caso Fizz a sua situação ficou num impasse e voltou a pedir ao tribunal que envie o seu processo para Luanda. Num requerimento entregue há dias pela defesa do ex-vice-Presidente de Angola em tribunal é afirmado que após a decisão do coletivo de separar a parte do ex-governante angolano da dos restantes três arguidos passou a verificar-se «uma situação de verdadeiro impasse e até de denegação de justiça, maxime na sua vertente do exercício do direito de defesa» de Vicente.

Lembrando que Manuel Vicente ainda nem sequer foi constituído arguido e que já por diversas vezes foi manifestada a disponibilidade das autoridades angolanas para julgar o ex-vice-Presidente, os advogados Rui Patrício e João Lima Cluny afirmam que mesmo que Vicente quisesse estaria impedido de se «apresentar em Portugal para aqui poder exercer o seu direito de defesa». Isto tudo «em razão das imunidades que vinculavam e vinculam ainda o ora denunciado […] nos termo do Direito Internacional e da Lei Fundamental de Angola».

Leia mais nesta edição do Semanário SOL. Já nas bancas.