Economia

Pedidos de patentes diminuíram 5,7% no ano passado

Mas o número absoluto de pedidos de patentes de 2017 é mesmo assim o 2º mais alto dos últimos 10 anos. Já o Minho e o Douro Litoral lideram o ranking regional com 41.9% do total de pedidos de patentes provenientes de Portugal. 

Os pedidos de patentes de empresas e instituições portuguesas junto do  Instituto Europeu diminuíram 5,7% em 2017. Este abrandamento acontece após quatro anos consecutivos de crescimento com dois dígitos. Ainda assim, o número absoluto de pedidos de patentes de 2017 é mesmo assim o segundo mais alto dos últimos 10 anos. A tecnologia médica e a medição são as duas áreas mais representadas no ano passado.

Uma das razões que explica este decréscimo em 2017 é a ausência da empresa portuguesa mais ativa na candidatura a patentes, a Novadelta-Comércio e Industria de Cafés, na lista das cinco entidades portuguesas que mais pedidos de patentes solicitaram ao nstituto Europeu de Patentes (IEP).

As patentes são concedidas pelo IEP depois ser realizada uma análise, em que são avaliados todos os critérios legais necessários. Os pedidos de patentes – onde se registou o decréscimo para Portugal – constituem o passo anterior à concessão de uma patente, referindo-se ao dossier que é preenchido no IEP por um inventor ou uma empresa para que o IEP possa examinar o pedido.

Ao todo, o Instituto Europeu de Patentes recebeu 166 mil pedidos de patentes europeias em 2017, um crescimento de 3.9% comparando a 2016, levando a mais um novo recorde.

No ano passado, registou-se um grande crescimento de patentes da China (+16.6%) que destronou a Suíça do top 5 de países com mais pedidos de patentes, sendo o top atualmente ocupado pelos EUA, Alemanha, Japão, China e pela primeira vez a França.

"Em relação às patentes, 2017 foi um ano positivo para a Europa” afirmou o presidente do IEP, Benoît Battistelli. “O crescimento da procura de patentes europeias confirma a atratividade da Europa enquanto mercado líder na área da tecnologia. As empresas europeias também solicitaram mais pedidos de patentes do que nunca – prova da sua
capacidade de inovação e da sua sua confiança nos nossos serviços. O IEP respondeu com sucesso procura de patentes com medidas que levaram a uma maior eficiência na produção, produtividade e pontualidade. Em simultâneo melhorámos a qualidade dos nossos produtos e serviços. A equipa do IEP merece um elogio pelos esforços realizados em 2017, que levaram aos melhores resultados de sempre do IEP”, revela em comunicado.

Setores com maiores pedidos

Os pedidos de patentes provenientes de Portugal cresceram 100% na área de tecnologia médica. As tecnologias com mais pedidos de patentes de Portugal são a medição (8% share), A tecnologia médica (8%), sistemas de processamento (7%) e engenharia civil (7%).

Já o Minho e o Douro Litoral lideram o ranking regional com 41.9% do total de pedidos de patentes provenientes de Portugal (2016: 41%) seguidas da Beira Litoral com 18.2% (2016: 17.3%) e a Estremadura e o Ribatejo com 16.2% (2016: 10.3%), que também foram as regiões com um maior crescimento (+50%). No ranking por cidades, a área metropolitana do Porto lidera o ranking com 25 pedidos de patentes (crescimento de 56.3%), colocando Lisboa em 2º lugar com 21 pedidos.