Sociedade

E-toupeira. Saiba tudo o que foi revelado hoje na Internet

Despacho do Ministério Público foi hoje divulgado na Internet. Fique a conhecer todos os pormenores revelados

DR  

O blogue Mercado de Benfica voltou a divulgar informação relativa a processos relacionados com o Benfica. Desta vez, foi publicado um link que permite o download do despacho de promoção do Ministério Público (MP) junto do juiz de instrução do processo conhecido como E-toupeira. Neste documento são revelados os processos a que o técnico informático José Nogueira da Silva alegadamente acedeu, por forma a ajudar o assessor jurídico do Benfica, Paulo Gonçalves, a ter informação privilegiada.

De acordo com o despacho, Paulo Gonçalves solicitou dados confidenciais sobre processos que envolvem o clube da Luz e os seus rivais desde, pelo menos, junho de 2017, altura em que deu entrada o inquérito-crime no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), posteriormente enviado para o Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP), relacionado com o caso dos e-mails.

Segundo o documento hoje revelado, “pretendia Paulo Gonçalves antecipar diligências processuais em que seria visada a Benfica SAD e seus membros ou obter informações sobre adversários para as transmitir a terceiros. Como recompensa, os funcionários receberam e recebem da Benfica SAD, através de Paulo Gonçalves ou algum intermediário deste, convites e bilhetes para assistirem gratuitamente a jogos de futebol no Estádio da Luz, em Lisboa, designadamente no Piso 1, designado por ‘anel VIP’”. O documento revela pelo menos oito jogos aos quais o técnico informático assistiu, acompanhados por familiares e pessoas ligadas tanto a Nogueira da Silva como a Paulo Gonçalves, como o também arguido neste processo, o empresário de futebol Óscar Cruz. Para além dos bilhetes, os funcionários recebiam ainda vários produtos de merchandising, como camisolas e casacos da equipa da Luz.

O despacho revela também que, como contrapartida, foi negociado um contrato de trabalho para o sobrinho de Nogueira da Silva, Fernando Rocha, no Museu Cosme Damião. “A contratação de Fernando Nuno Nogueira Silva Rocha, sobrinho de José Silva, para o museu do Benfica (Museu Cosme Damião) foi acertada com o próprio Paulo Gonçalves. A esse jogo [Benfica-Chaves, a 20 de janeiro deste ano] foi também o próprio Fernando Nuno, levando consigo um curriculum querendo Paulo Gonçalves falar diretamente com ele, o que foi intermediado por Óscar Cruz. Já em data anterior Paulo Gonçalves tinha entregue os dados de Fernando Nuno no Departamento de Recursos Humanos do Benfica”.

Para além disso, excluindo os valores referentes ao seu salário, a conta bancária do técnico informático apresentava “58 operações a crédito (11 depósitos e quarenta e sete transferências), num montante de 10.233,00 euros”.

Quais os processos consultados?

José Nogueira da Silva usou as credenciais de Ana Paula Vitorino, atual assessora da Procuradora Distrital de Lisboa, Maria José Morgado, para aceder a pelo menos 10 inquéritos. Para tal, recorreu a computadores instalados nos tribunais de Guimarães e Fafe e acedeu à plataforma informática CITIUS, que contém informação processual confidencial.

No despacho hoje divulgado no blogue Mercado de Benfica, vêm discriminados os diferentes inquéritos a que o técnico informático acedeu. São eles:

- Entrevista de Bruno de Carvalho: inquérito aberto a 21 de outubro de 2015, após uma denúncia da Federação Portuguesa de Futebol após a entrevista de Bruno de Carvalho, presidente do Sporting, ao programa da TVI24 ‘Prolongamento’. Foi durante esta entrevista que o dirigente leonino falou sobre o que é conhecido hoje como o caso dos vouchers, em que, alegadamente, o Benfica oferecia jantares e outros brindes a árbitros que iam apitar os jogos do clube da Luz. José Nogueira da Silva terá acedido a este inquérito 64 vezes;

- Invasão dos sistemas: inquérito que começou com uma denúncia do Sport Lisboa e Benfica contra “incertos por acesso ao sistema informático do clube”. Esta denúncia surgiu pouco tempo depois de Francisco J. Marques, diretor de comunicação do FC Porto, ter começado a revelar aquilo que afirmava serem e-mails de dirigentes benfiquistas que alegadamente provam a existência de uma rede de influências criada para condicionar a arbitragem.  O técnico informático acedeu a este processo 109 vezes;

- Divulgação dos e-mails: este inquérito foi incorporado no anterior. Trata-se da denúncia feita pelo Benfica contra Francisco J. Marques pela divulgação dos e-mails. Foi registado pelo menos um acesso a este inquérito específico;

- Denúncia contra Bruno de Carvalho: trata-se de uma denúncia anónima contra o presidente do Sporting, que se encontra em segredo de justiça desde o final de janeiro de 2018. Nogueira da Silva acedeu a este inquérito duas vezes;

- Corrupção na arbitragem: Inquérito iniciou-se em janeiro de 2017, após uma denúncia anónima que visava a SAD do Benfica e dava conta de um “esquema de corrupção na arbitragem para beneficiar” os encarnados. O técnico acedeu a este inquérito pelo menos 300 vezes. Nas primeiras buscas realizadas pela Polícia Judiciária nas instalações do Benfica, em outubro de 2017, foi encontrado no gabinete de Paulo Gonçalves “a impressão dos histórico” deste processo. Para além disso, “José Silva e Paulo Gonçalves mantiveram contactos telefónicos via Whatsapp para transmissão da informação obtida” no âmbito deste inquérito;

- Outros: José Nogueira da Silva consultou ainda outros cinco inquéritos, “entre eles alguns sem relação com a área do futebol”, revela o documento divulgado hoje.

O que foi encontrado nas buscas?

Nas buscas realizadas no passado dia 6 de março, foram encontrados vários elementos importantes para a investigação. Num dos carros de José Nogueira da Silva, a PJ detetou um manuscrito com referências a três processos – um sobre o Sporting, outro sobre o Benfica e o terceiro dizia respeito ao inquérito que envolvia o clube da Luz e o ministro das Finanças, Mário Centeno.

Noutro carro do técnico informático, foram encontrados um “envelope timbrado Benfica SAD, manuscrito com o remetente Paulo Gonçalves e destinatário José Augusto FAFE, com as inscrições «(2+3)» e «Porta 18»” e um conjunto de folhas com a identificação de números de processos.

“Ainda no dia 06/03/2018, José Silva tinha na sua posse na residência seis (06) computadores portáteis da marca Dell, sem bateria e sem disco rígido, um (01) computador desktop da marca Dell, funcional e em utilização, dois (02) monitores da marca HP funcionais e em utilização, dois (02) computadores desktop da marca HP funcionais e em utilização pelos filhos do arguido, um teclado da marca HP funcional e em utilização, uma impressora da marca Samsung, funcional e em utilização”, refere o mesmo documento. Trata-se de material que pertence ao Ministério da Justiça, que não pode ser usado para uso pessoal.

No quartos dos seus filhos, foram encontradas várias camisolas  da marca SL Benfica.

No mesmo dia, o funcionário judicial Júlio Loureiro, também arguido neste processo, tinha na sua posse bilhetes para os jogos do Benfica.

Nas buscas feitas ao gabinete de Paulo Gonçalves, foram encontrados vários elementos, como o currículo do sobrinho de José Nogueira da Silva e uma pasta com documentos “não assinados nem numerados” referentes a um processo que envolvia Hernâni de Jesus Fernandes, antigo árbitro assistente e atual assessor do Sporting. A mesma pasta continha também dados da Segurança Social referentes a Hernâni Fernandes e ao próprio Sporting.

“Com estas condutas, os arguidos pretenderam utilizar as funções que os funcionários judiciais exerciam nos tribunais para obter proveitos (uns informações e outros recompensas) que lhes não eram devidos, todos sabendo que assim violavam os deveres legais e funcionais de funcionários, o que quiseram e conseguiram (…)Tudo para favorecerem o Benfica e seus elementos nas investigações em curso, permitirem acesso a informações de clubes adversários e ainda, para os funcionários, obterem bilhetes, produtos do clube e outras recompensas”, refere o despacho.