Desporto

Sp. Braga diz que pagamento do Sporting foi “equívoco ou trafulhice”

A polémica entre o Braga e Sporting continua.

DR  

O Sp. Braga comentou o pagamento feito pelo Sporting respeitante à transferência de Battaglia dizendo que se trata de “equívoco ou trafulhice”.

O Sporting pagou 707 mil euros ao Braga, mas os bracarenses dizem que o valor a pagar deveria ser 828 mil euros.

“A postura do Sporting em todo este processo, a conclusão a registar é que o seu responsável máximo ordenou mais uma manobra de diversão, denunciadora da chico-espertice de quem a pratica”, refere o Braga num comunicado.

Eis o comunicado bracarense na íntegra:

«A SC Braga, SAD recebeu na tarde desta terça-feira uma transferência da Sporting Clube de Portugal, SAD no valor de 707.132,22€. Tal quantia só pode ser reveladora de uma de duas coisas: um equívoco ou uma trafulhice.
Conhecendo, porém, a postura do Sporting em todo este processo, a conclusão a registar é que o seu responsável máximo ordenou mais uma manobra de diversão, denunciadora da chico-espertice de quem a pratica.
Importa esclarecer, pois, que o valor a transferir para a SC Braga, SAD seria de 828.083,76€, compreendendo já a dedução do crédito detido pela LACO e cedido à Sporting SAD, a compensar na prestação (1 milhão de euros) que vencia a 15 de Fevereiro de 2018.

Verifica-se que o Sporting se arrogou a descontar a quantia de 120.951,44€, o que inclui até a antecipação de saldos não vencidos do mecanismo de solidariedade relativos às transferências dos jogadores Pedro Santos (3.084€ + IVA a pagar por esta sociedade a 1 de maio) e Rui Fonte (66.642€ + IVA a pagar por esta sociedade a 20 de julho), registando-se a curiosidade de esta parcela ser já posterior à terceira tranche relativa à transferência de Battaglia (1 milhão de euros), que o Sporting terá de liquidar a 20 de junho.

Por mais irónico e rebuscado que seja, um embuste nunca passará de um embuste: antecipar a cobrança de um valor que só vence após uma parcela a que a Sporting, SAD está obrigada é ilustrativo da má-fé com que uma das partes está em todo este processo, envergonha a instituição e envergonha os seus competentes profissionais, que se limitaram a executar a contabilidade criativa do seu Presidente.

Expondo os factos para conhecimento público, a SC Braga, SAD dá seguimento à denúncia que já encaminhou para as instâncias próprias. Hoje mesmo reportámos o caso à Federação Portuguesa de Futebol, evidenciando as práticas cometidas, reveladoras do caráter de quem é incapaz de respeitar os seus compromissos.

A SC Braga, SAD retira de tais comportamentos as devidas ilações e repudia-os de forma veemente, por entender que são indignos do respeito institucional que deve nortear o relacionamento entre todas as coletividades desportivas.»