Desporto

Campeonato do mundo de ténis em cadeira de rodas. Seleção nacional em Vilamoura com novidades

A Federação portuguesa de Ténis nem precisou de concorrer para ganhar a qualificação europeia do Mundial

DR  

A seleção nacional masculina de cadeira de rodas vai jogar em casa, pelo segundo ano seguido, uma Fase de Qualificação Europeia do Campeonato do Mundo de Equipas de Ténis em Cadeira de Rodas, torneio que a Federação Portuguesa de Ténis (FPT) e a Premier Sports vão organizar de 11 (amanhã) a 15 de abril, na Vilamoura Tennis & Padel Academy, no Algarve.

A novidade da Qualificação Europeia de 2018 foi a adjudicação direta à FPT, ao contrário do sucedido em 2017, em que houve um concurso entre países, ganho por Portugal. A noutra novidade foi o selecionador nacional, Joaquim Nunes, ter convocado Francisco Aguiar para substituir o histórico Paulo Espírito Santo. De resto, manteve os internacionais Jean-Paul Melo, Carlos Leitão e João Sanona.

«Creio que é uma honra para todos nós e um motivo de grande satisfação termos sido convidados sem concurso», disse Vasco Costa, o presidente da FPT. «Ficamos muito contentes com o facto de a ITF ter reconhecido a qualidade organizativa da Premier Sports e de voltarmos a receber este grande evento em Vilamoura pelo segundo ano consecutivo», afirmou, por seu lado, Pedro Frazão, o promotor e diretor do torneio.

Em 2018, a primeira divisão deste Mundial irá disputar-se na em Apeldoorn, na Holanda, de 28 de maio a 3 de junho e para além do país anfitrião e das outras nações que se apuram via ranking mundial, há uma vaga em cada uma das fases qualificativas. Já se realizaram todos os restantes os torneios de qualificação de África, Ásia-Oceânia e Américas. Apuraram-se Estados Unidos, Marrocos e Japão para o torneio masculino, Quénia, Argentina e Coreia do Sul para a fase final feminina.

Em Vilamoura, à semelhança do ano passado, estarão 13 nações representadas no torneio masculino (entre os quais Portugal), enquanto no feminino verifica-se um aumento de participação de três no ano passado para cinco este ano.

O selecionador nacional e coordenador do programa da FPT para o ténis adaptado, Joaquim Nunes, convocou Jean Paul Mélo (o atual tricampeão nacional de cadeira de rodas), do Clube de Ténis de Setúbal; Carlos Leitão (sete vezes campeão nacional), do Clube de Ténis de Pombal; João Sanona, do Clube de Ténis de Setúbal; e Francisco Aguiar, do Open Village Sports.

«Esta seleção tem realizado vários estágios, sabemos que a tarefa dos nossos jogadores não é fácil, já andam há muitos anos nisto e há seleções com atletas bastante mais jovens, mas este ano os nossos jogadores fizeram uma preparação melhor, parecem muito motivados e o nosso objetivo é melhorarmos o resultado que fizemos no ano passado», comentou o presidente da FPT.

Em 2017, Portugal terminou no 10.º lugar e, apesar da forte motivação, os jogadores sentiram alguma pressão por atuarem pela primeira vez em casa. O selecionador nacional julga que essa experiência poderá ser positiva para este ano. «É uma felicidade para a seleção jogar no seu país, faz com que os jogadores se sintam mais acarinhados. Esta prova é muito importante para nós e este ano, ao jogarmos em casa pela segunda vez, já não estamos à espera de sentir o stress, acho que vamos estar mais calmos, serenos e confiantes», afiançou Joaquim Nunes.

O formato da competição é simples. As cinco seleções femininas serão integradas num único Grupo, defrontam-se no sistema todos contra todos e a primeira classificada será apurada para a Holanda. As 13 seleções masculinas serão divididas em quatro Grupos, três com três equipas e um com quatro. A nação vencedora de cada grupo passa às meias-finais, seguidas de final. Só o país vencedor se apura. Os países em competição são os seguintes: Áustria, Bélgica, Grã-Bretanha, Rússia e Suécia no torneio feminino; Croácia, República Checa, Estónia, Alemanha, Grécia, Hungria, Israel, Portugal, Roménia, Eslováquia, Espanha, Suíça e Turquia. O sorteio será efetuado ao final da tarde pelo juiz-árbitro Paulo Oliveira.