Desporto

Taça de Portugal. Supremacia azul nas “meias” à prova em Alvalade

O FC Porto conseguiu o apuramento para a final em cinco dos oito embates com o Sporting nesta fase da competição. E parte em vantagem

Dois meses e meio depois da primeira mão, Sporting e FC Porto voltam a encontrar- -se para disputar a segunda vaga na final da Taça de Portugal – a primeira pertencerá a Aves ou Caldas, que se defrontam duas horas antes no reduto do conjunto do Campeonato de Portugal, o Campo da Mata, carinhosamente apelidado de mini-Jamor pelas suas gentes. Em Alvalade, leões e dragões reeditam um duelo já disputado noutras oito ocasiões nesta fase da prova-rainha do futebol nacional.

O saldo é favorável aos azuis-e-brancos, que saíram deste embate rumo à final em cinco dessas oito situações – incluindo as únicas duas vezes em que as equipas se defrontaram nas “meias” neste século. A última delas aconteceu há 12 anos no Dragão: depois do 0-0 ao fim dos 90 minutos, Liedson adiantou o Sporting aos 108’, mas Benni McCarthy repôs a igualdade aos 115’. Nas grandes penalidades, só João Moutinho (anos antes de vestir de azul) falhou, permitindo a defesa a Vítor Baía logo no primeiro remate, e o FC Porto de Co Adriaanse seguiu para a decisão, onde viria a bater o Vitória de Setúbal (1-0, golo de Adriano) e assim conquistar a dobradinha.

Em termos globais, os dragões também têm supremacia: apuraram-se 13 vezes, contra nove dos leões.

Festejos dos dois lados

Nas meias-finais jogadas no seu terreno, é preciso referi-lo, o historial dita que o Sporting é rei. São três vitórias e dois empates. É verdade: nesta fase da Taça de Portugal, o FC Porto nunca ganhou em Alvalade. Não é menos verdade, porém, que houve ocasiões em que tal não impediu os dragões de fazer a festa.

Foram os casos em 1957/58, 1960/61 e 1983/84. No primeiro, a um 2-2 em Alvalade seguiu-se um 3-0 para os dragões nas Antas; no segundo, os leões venceram no seu reduto por 2-1, mas acabariam por soçobrar a norte (4-1); no terceiro, novamente um empate em Lisboa, agora por 1-1, antes do 2-1 nas Antas – isto, numa altura em que as meias-finais não eram disputadas a duas mãos: só havia lugar a segundo jogo em caso de empate no primeiro.

Foi dessa forma, de resto, que o Sporting conseguiu a sua última qualificação para uma final numa decisão com os dragões. Aconteceu em 95/96: depois de um empate (1-1) nas Antas, os leões bateram os dragões no jogo de desempate em Alvalade com um golo solitário de Afonso Martins logo a abrir o prolongamento. Nélson era o lateral-direito verde-e-branco nos dois jogos e lembra-se de tudo como se fosse hoje. “O Otávio [Machado] tinha chegado ao banco há pouco mais de um mês e os resultados estavam a ser positivos: a equipa estava mais solta, mais moralizada. Nas Antas, o FC Porto empatou mesmo a acabar, e em casa sentimos o ímpeto de ganhar pelos nossos adeptos e até por esse bom momento que estávamos a atravessar”, recorda o antigo internacional português ao i.

Aí, todavia, não se verificava “uma nuance que pode fazer toda a diferença amanhã [hoje]”: a vantagem conseguida pelo FC Porto na primeira mão. Ainda assim, Nélson espera um “jogo aberto e muito disputado” esta noite. “O Sporting está em desvantagem e tem de tomar a iniciativa, mas o FC Porto também não se vai remeter à defensiva. Ambas as equipas estão com o moral em alta, vêm de resultados motivadores – o Sporting, por exemplo, vulgarizou o Atlético de Madrid e foi eliminado de forma injusta. Não acredito que vá ser um jogo fechado”, perspetiva.

Curiosamente, o mesmo Nélson viria a disputar mais uma meia-final da Taça entre FC Porto e Sporting, mas agora do lado dos dragões. Foi em 2000/01, num encontro (2-1) resolvido por Capucho, autor dos dois golos portistas. “Sou sportinguista de coração, mas ali estava a defender o FC Porto com todo o brio e orgulho. Andámos um ano inteiro a trabalhar para chegar àquela final e só pensava em ganhar o jogo”, realça, ele que venceu a competição por três ocasiões: uma no Sporting (94/95) e duas no FC Porto (99/00 e 00/01), tendo ainda perdido outras duas finais (93/94 e 95/96).

Um equilíbrio clássico

Este será já o quinto confronto entre Sporting e FC Porto esta temporada. Um duelo que se tem pautado pelo equilíbrio. Os dragões ganharam os últimos dois embates (1-0 na já referida primeira mão destas meias-finais e 2-1 para o campeonato, também no Dragão), mas na Taça da Liga foram os leões a sorrir por último: ainda que o encontro tenha terminado 0-0 – como já havia acontecido na primeira volta da liga, em Alvalade –, os comandados de Jorge Jesus superiorizaram-se no desempate por grandes penalidades e seguiram para a final, onde viriam a bater o Vitória de Setúbal da mesma forma e assim conquistar pela primeira vez a mais jovem competição do calendário futebolístico nacional.

Esta noite, no Alvalade XXI, mais um capítulo de um dos maiores clássicos do futebol português terá lugar. Avancem os protagonistas.