Internacional

Caso Skripal. Ex-espião e filha envenenados com cerca de 100 gramas de Novichok

Informação foi avançada pelo diretor-geral da organização de observação internacional contra o uso de armas químicas

Sergei Skripal e a sua filha, Yulia, foram envenenados com um agente nervoso chamado Novichok, que continha entre 50 a 100 gramas de quantidade química durante o ataque.

Ao que tudo indica, a quantidade utilizada de agente nervoso sugere que terá sido criado para ser utilizado como arma.

O diretor-geral da organização de observação internacional contra o uso de armas químicas avançou esta sexta-feira com a informação, explicando que 100 gramas equivale a cerca de 100 mililitros.

De acordo com Ahmet Üzümcü, da Organização para a Proibição de Armas Químicas, em entrevista ao New York Times, a quantidade de Novichok usado foi significativamente mais elevada do que aquele que seria produzido para efeitos de investigação.

"Para atividades de pesquisa ou proteção precisaria, por exemplo, de cinco a 10 gramas, mas em Salisbury parece que usaram mais do que isso, sem saber a exata quantidade, foi-me dito que usaram cerca de 50, 100 gramas ou mais, o que vai muito além do que é usado para esses fins de investigação", declarou o responsável.

As amostras do agente nervoso foram retiradas da maçaneta da porta de do antigo espião russo, do banco onde Sergei e a filha foram encontrados insconscientes e de "vários outros locais onde estiveram presentes", acrescentou a mesma fonte.