Desporto

Golfe. 12 portugueses superam recorde nacional do ano passado

Mesmo sem Ricardo Melo Gouveia, há um novo máximo de participação nacional em provas do european ou do challenge tour, com destaque para Filipe Lima, Ricardo Santos e Pedro Figueiredo

O 56.º Open de Portugal @ Morgado Golf Resort irá registar um novo recorde de participação nacional em torneios do European ou do Challenge Tour.
 
Um total de 12 golfistas portugueses competirá no torneio do Challenge Tour, de 200 mil euros em prémios monetários, a realizar-se de 10 a 13 de maio no Morgado Golf Course, em Portimão, com o popular Pro-Am no dia 9.
 
No ano passado já se tinha verificado um recorde nacional, de 11 portugueses, que bateu os 10 do Madeira Islands Open BPI de 2015, mas a dúzia de 2018 é ainda mais importante por nem precisar de contar com o contributo do n.º1 português, Ricardo Melo Gouveia, que decidiu descansar esta semana e nem sequer joga o Open de Itália, do European Tour, no qual teria entrada direta.
 
Os Doze, não de Inglaterra, mas do Morgado são os profissionais Filipe Lima, Ricardo Santos, Pedro Figueiredo, Tiago Cruz, João Carlota, Tomás Silva, Tomás Melo Gouveia, Tiago Rodrigues, Tomás Bessa e João Ramos, e ainda os amadores Vítor Lopes e Pedro Lencart.
 
As grandes novidades em relação a 2017, o primeiro ano em que o torneio se realizou no Morgado Golf Resort, são a ausência de Hugo Santos (não conseguiu qualificar-se), as estreias de Pedro Lencart, Vítor Lopes e Tomás Bessa (este último, entretanto, transitando de amador para profissional), e a passagem de Tomás Melo Gouveia de amador (estatuto com que participou em 2017) a profissional.
 
Há um ano, Filipe Lima foi o melhor português, no 22.º lugar (-9) e ainda passaram o cut Pedro Figueiredo (42.º com -6) e Ricardo Santos (68.º com -1), mas em 2018 esperam-se melhores resultados, pelo simples facto de o torneio ter passado de meio milhão de euros em prémios para 200 mil, fazendo com que a elite do Challenge Tour continue a vir, mas alguns jogadores do European Tour primem pela ausência.
 
O paralelismo com o ténis e o recente Millennium Estoril Open é evidente. Uma lista de inscritos com menos “tubarões” significa uma maior possibilidade de ter um português a brilhar e a subir na Corrida para Ras Al Khaimah, o ranking da segunda divisão do golfe profissional europeu, o Challenge Tour, no qual Pedro Figueiredo é 57.º, Tomás Silva 79.º, Ricardo Santos 98.º e Filipe Lima 114.º.
 
«Estamos muito confiantes e depois da vitória do João Sousa no Millennium Estoril Open, creio que será uma injeção de confiança para os nossos jogadores e estou certo de que teremos jogadores portugueses a fazerem uma boa prestação no próximo Open de Portugal, esta semana, no Morgado Golf Resort», disse Miguel Franco de Sousa, o presidente da Federação Portuguesa de Golfe, uma das três entidades envolvidas na organização do torneio, a par da PGA de Portugal e do Grupo Nau Hotels & Resorts, com um apoio especial do Turismo de Portugal e do Instituto Português do Desporto e Juventude.
 
Dos 12 jogadores portugueses, o destaque vai para o campeão nacional de 2017, Filipe Lima, que tem quatro títulos do Challenge Tour no seu palmarés e foi 5.º classificado no último Portugal Masters do European Tour; Ricardo Santos, campeão nacional de 2016, que venceu dois eventos deste nível; e Pedro Figueiredo, campeão nacional de 2013, que estreou-se em 2018 como membro de pleno direito do Challenge Tour. Este trio entrou diretamente na prova.