Sociedade

Estradas. Mortes em acidentes continuam a aumentar

Desastres rodoviários já provocaram 147 mortos desde o início do ano

Entre 1 de janeiro e 7 de maio, os acidentes nas estradas causaram 147 mortes, mais seis do que as registadas no mesmo período do ano passado (141) e mais 13 do que as verificadas em 2016 (134). Os números são da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) que, no seu último boletim periódico, conclui que o número de desastres também aumentou. Este ano, já houve registo de 44 512, mais 2404 do que em 2017 (42 108). O número de acidentes é também superior ao verificado em 2016 (44 343).

Já o número de feridos graves caiu, de 672 para 557. Mas os feridos ligeiros conheceram um aumento, tendo passado de 12560 em 2017 para 12656 em 2018.

Desde o início do ano, os distritos com mais acidentes foram Lisboa (com 9119), o Porto (8359) e Braga (3868). E a zona do país com mais mortes resultantes de sinistros rodoviários é Setúbal (22 casos), seguida por Lisboa e pelo Porto (17 situações, cada uma).

Durante todo o ano de 2017, 509 pessoas morreram nas estradas portuguesas, mais 64 do que em 2016 – o que representou um aumento de 12,5%. Em janeiro, o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, mostrou-se preocupado com o agravamento dos indicadores da sinistralidade rodoviária e anunciou um conjunto de medidas para tentar travar o fenómeno, como o alargamento das inspeções obrigatórias aos motociclos e a obrigatoriedade de ter carta para conduzir motas de baixa cilindrada.